Mês: setembro 2016

História das Artes > 2016 > setembro (Página 2)
Rembrandt

Rembrandt

Rembrandt Harmenszoon (filho de Harmen) van Rijn nasceu em Leiden, Holanda,em 15 de julho de 1606. Seu pai, o moleiro Harmen Gerritz, era dono de um moinho à beira do rio Reno, cujo nome incorporou ao seu, passando a assinar Harmen Gerritz van Rijn (van Rijn em holandês significa “do Reno”). Sua mãe, Cornelia van Zuybrouck, era filha de um padeiro. Continue Lendo

Caravaggio

Caravaggio

Michelangelo Merisi, filho de Fermo di Bernardino Merisi, nasceu em 1571, provavelmente em Milão, não muito distante da aldeia de Caravaggio, de onde a família provinha. Anos mais tarde, adotaria o nome de seu local de nascimento. Seu pai, que era mordomo-chefe de Francesco Sforza, Marquês de Caravaggio, morreu em 1577, e o menino, junto com dois irmãos e uma irmã, foi criado pela mãe, Lucia Anatore. Continue Lendo

Navio de Emigrantes – Lasar Segall

Navio de Emigrantes – Lasar Segall

O artista Lasar Segall viajou muito entre o Velho e o Novo Mundo, cruzando o Atlântico, proporcionando a produção de instantâneos de viagem, retratos de diferentes tipos humanos, o cotidiano dos marinheiros, detalhes das embarcações e principalmente a experiência da imensidão do mar em confronto com a fragilidade do destino humano. Continue Lendo

Diego Velázquez

Diego Velázquez

Diego Rodríguez de Silva y Velázquez nasceu em Sevilha, nos primeiros dias de junho de 1599. Era primogênito dos sete filhos de Juan Rodríguez de Silva e de sua esposa Jerónima (nascida Velázquez). Havia sangue nobre na família, e os pais levavam uma vida confortável, mas não opulenta. Diego, como de hábito na Espanha, tomou o sobrenome da mãe e se tornou um dos maiores pintores do barroco espanhol. Continue Lendo

A Traição das Imagens, René Magritte

A Traição das Imagens, René Magritte

René Magritte parece contradizer a realidade nomeando absurdamente uma coisa que não precisa ser nomeada, ao mesmo tempo negando que ela seja o que obviamente é. Escrevendo “Isto não é um cachimbo” embaixo da figura de um cachimbo, ele mostra que a imagem de um objeto não deve ser confundida com algo tangível e real. Continue Lendo