29ª. Bienal de São Paulo

História das Artes > Sala dos Professores > 29ª. Bienal de São Paulo
29ª. Bienal de São Paulo
   

A 29ª Bienal de São Paulo foi ancorada na ideia de que é impossível separar arte e política. Impossibilidade que se expressa no fato de a arte, por meios que lhes são próprios, ser capaz de interromper as coordenadas sensoriais com que entendemos e habitamos o mundo, inserindo nele temas e atitudes que ali não cabiam ainda, tornando-o assim maior e diferente.

Assista a concepção da ideia do cartaz da 29ª. Bienal, baseada no verso do poeta alagoano Jorge de Lima, ‘Há Sempre um Copo de Mar para o Homem Navegar’.

Diante desse contexto, foi proposto aos alunos ampliarem seu conhecimento sobre o tema que moveu a 29ª. Bienal de São Paulo, a política da Arte e os seus significados, e também elegemos alguns dos artistas brasileiros participantes dessa exposição para explorar sua biografia, linha de criação e obras.

Dentre os artistas foram escolhidos: Amélia Toledo, Anna Maria Maiolino, Carlos Vergara, Cildo Meireles, Ernesto Neto, Flávio de Carvalho, Hélio Oiticica, Lygia Pape, Mira Schendel, Nuno Ramos, Oswaldo Goeldi e Tatiana Blass.

COMO CITAR?

Para citar o História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. 29ª. Bienal de São Paulo. História das Artes, 2020. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/29a-bienal-de-sao-paulo/>. Acesso em 24 Nov 2020.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: