Autor: Simone Martins

História das Artes > Artigos postados por Simone Martins
La Fornarina, Rafael Sanzio

La Fornarina, Rafael Sanzio

Rafael Sanzio ficou famoso por suas aventuras amorosas, mas não se sabe muito acerca dos detalhes, ou mesmo se chegaram a existir. Vasari, no entanto, parecia ter poucas dúvidas sobre o gosto de Rafael pelos jogos amorosos. Continue Lendo

Maddalena Doni, Rafael Sanzio

Maddalena Doni, Rafael Sanzio

Este retrato faz par com o do mercador Agnolo Doni, marido de Maddalena Strozzi, com quem ela se casou, em 1503. Ambos os quadros pertenceram aos descendentes do casal, até 1826, ano em que foram adquiridos pelo Grande Duque Leopoldo II, de Toscana, e atualmente se conservam no Palácio Pitti de Florença. Continue Lendo

Madona Sistina, Rafael Sanzio

Madona Sistina, Rafael Sanzio

Esta Madona é considerada a mais surpreendente obra de altar do período romano de Rafael Sanzio. Mesmo assim, desde o século 18, tem sido admirada como uma das representações religiosas mais significativas da arte clássica. Continue Lendo

Madona do Pintassilgo, Rafael Sanzio

Madona do Pintassilgo, Rafael Sanzio

Por volta de 1506, nos últimos anos de seu período florentino, Rafael Sanzio começa a realizar uma série de quadros sobre temas religiosos nos quais desenvolve uma tipologia nova e original que ocupará um lugar destacado, tanto em sua obra pictórica como na História da Arte: as Madonas. Continue Lendo

A Transfiguração, Rafael Sanzio

A Transfiguração, Rafael Sanzio

Em 1517, o cardeal Giuliano de Médici, parente de Leão X, encomendou a Rafael Sanzio uma Transfiguração para a catedral de Sant Juste Narbona, onde ele era bispo, porém, em 1523, ela foi colocada na igreja romana, projetada por Bramante de São Pietro in Montorio. Lá permaneceu até 1797, quando foi levada para Paris, sendo devolvida em 1815 a Roma, onde permanece até a Continue Lendo

O Casamento da Virgem, Rafael Sanzio

O Casamento da Virgem, Rafael Sanzio

Em 1504, pouco antes de mudar-se para Florença, Rafael Sanzio realizou a obra mais destacada do período que se conhece como sua etapa sombria: O Casamento da Vrigem. Esta tábua foi encomendada pela família Albizzini para a capela de São José na igreja de São Francisco em Cittá di Castello. Continue Lendo

Jovens Filhas ao Piano, Pierre-Auguste Renoir

Jovens Filhas ao Piano, Pierre-Auguste Renoir

Nesta tela, Renoir apresenta duas moças tocando piano. Ele retomaria este tema outra vez, cinco anos depois, com similar composição em Yvonne e Christine Lerolle ao Piano. Continue Lendo

Porque não pintar a alegria?

Porque não pintar a alegria?

“Por que a arte não pode ser bonita?”, perguntou Renoir certa vez. “O mundo já tem muitas coisas desagradáveis.” Eis um resumo da sua atitude em relação à pintura e à vida, já que ele mesmo tinha uma incrível capacidade para a alegria, e sua arte expressava esse prazer de viver. Continue Lendo

A Primeira Saída, Pierre-Auguste Renoir

A Primeira Saída, Pierre-Auguste Renoir

Dois anos depois de pintar O Camarote, Renoir tornou a pintar em 1876, outro camarote conhecido como A Primeira Saída ou No Teatro. Nesta obra, Renoir retrata uma mocinha que vai à Ópera pela primeira vez. Continue Lendo

Afresco Terentius Neo e sua mulher

Afresco Terentius Neo e sua mulher

O afresco Retrato de Terentius Neo e sua esposa é famoso, único e requintado. Foi encontrado em Pompeia na Casa de Terentius Neo. Atualmente, é preservado no Museu Arqueológico Nacional de Nápoles, no sul da Itália. Continue Lendo