A Primeira Saída, Renoir

A Primeira Saída, Renoir

Dois anos depois de pintar O Camarote, Renoir tornou a pintar em 1876, outro camarote conhecido como A Primeira Saída ou No Teatro. Nesta obra, Renoir retrata uma mocinha que vai à Ópera pela primeira vez.

Pela expressão de seu rosto e pela postura de seu corpo, capta-se maravilhosamente bem a ansiosa curiosidade e excitação que ela sente diante do espetáculo, da multidão de assistentes que se agita inquietamente nos camarotes próximos ao seu.

Como também fez seu colega Degas, Renoir se interessa pelo mundo das diversões burguesas da metrópole parisiense: o teatro, o circo, os bailes, etc., mas, diferente deste, suas observações se centram nos espectadores, no público que acode a estes espetáculos, esperando encontrar uma pequena história surgida da vida cotidiana, sem maior transcendência, embora cheia de encanto.

Este quadro tem a aparência, à primeira vista, de um esboço, pelo aspecto rápido e pouco definido de sua execução. Mas é justamente esse aspecto que torna esta obra especialmente cativadora.

Renoir traça uma imagem na qual consegue transmitir-nos todo o alvoroço, a luminosidade centelhante e a excitação que se respira no teatro, da mesma forma que se estivéssemos presentes naquele momento, com uma técnica, na qual o desenho é totalmente inexistente e as formas se alinham através da cor, que se dispõem na tela por meio de pinceladas curvas e nervosas como se fossem manchas cromáticas aparentemente anárquicas.

Tanto o rosto da moça, do qual na realidade não vemos mais que um perfil, como o penteado e o ramalhete de flores, nos remetem a um dos pintores mais admirados por Renoir: Velásquez, e a obra deste que mais lhe surpreendeu, As Meninas, em que o mestre espanhol conseguiu, também, à base de pequenos pontos e manchas de cores, expressar de maneira inigualável e precisa os brocados e rendas dos vestidos.

Com pinturas como esta ele parece querer comunicar-nos e recordar-nos que é nos pequenos detalhes da vida diária e cotidiana onde se encontra a seiva e a beleza da vida, e que estes momentos são os que encerram maior importância para o pintor.

No Teatro (A Primeira Saída), 1876-77, óleo sobre tela, 64,7 x 50,8 cm, Pierre-Auguste Renoir, National Gallery, Londres.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de Renoir, experimente fazer uma releitura dele ou criar uma composição que retrate a emoção de algo realizado pela primeira vez, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Um comentário em “A Primeira Saída, Renoir”.

Os comentários não representam a opinião do www.historiadasartes.com, a responsabilidade é do autor da mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: