Sala dos Professores

História das Artes > Arquivo "Sala dos Professores"
Peggy Guggenheim: Paixão por Arte

Peggy Guggenheim: Paixão por Arte

Em 1921, com 20 e poucos anos e uma herança, Peggy Guggenheim partiu de Nova York para Paris. Rapidamente se aproximou da boemia parisiense, fazendo amizade com Jean Cocteau, Duchamp e Man Ray, entre muitos artistas modernos. Visionária e apaixonada por arte, iniciou nesse período o que viria a ser uma das mais importantes coleções de arte do século 20.

O documentário Peggy Guggenheim: Paixão por Arte retrata seu corajoso percurso, seu mecenato de artistas como Pollock, suas relações, por vezes amorosas, com mestres como Max Ernst e Samuel Beckett, e a fundação da Coleção Peggy Guggenheim, em Veneza.

Marguerite “Peggy” Guggenheim (1898–1979) além de uma grande herdeira, foi mecenas de artistas e dona de uma das mais importantes coleções de arte moderna do século 20. Ela era filha de Benjamin Guggenheim, que faleceu no naufrágio do Titanic, em 1912, e sobrinha de Solomon R. Guggenheim, que estabeleceu a Fundação Solomon R. Guggenheim, com museus em vários países.

Fazer uma pintura moderna, cores emocionais

Fazer uma pintura moderna, cores emocionais

História da Arte para Crianças

Chegando o Modernismo

Na Europa no final do século XIX e início do século XX, muitos artistas não mais desenhavam seguindo as regras ensinadas nas academias de arte.

Eles buscavam novas formas de desenhar, esculpir e pintar, e assim deram origem a novos estilos artísticos. Continue Lendo

Porta de Ishtar

Porta de Ishtar

A Porta de Ishtar foi a oitava porta do lado norte da muralha da cidade da Babilônia, construída aproximadamente em 575 a.C., por ordem do rei Nabucodonosor II, que reinou entre 604 e 562 a.C., no auge do Império Neobabilônico. Ele ordenou a construção da porta e dedicou-a à deusa babilônica Ishtar. Escavada entre os anos de 1902 e 1914, por Robert Koldewey, a porta e a Via  Processional foram reconstruídas com seus tijolos originais, em 1930, no Museu Pergamon em Berlim.

Continue Lendo

A Dança, Henri Matisse

A Dança, Henri Matisse

Acredita-se que a ideia da composição surgiu em 1905, enquanto o pintor observava alguns pescadores realizando uma dança de roda, a sardana, em uma praia do sul da França. As formas simplificadas das dançarinas ocupam toda a tela, em um padrão rítmico de movimento expressivo. Continue Lendo

Castelo Eltz

Castelo Eltz

O Castelo Eltz é único por muitas razões: desde a sua construção, que sobreviveu intacta a todas as guerras e sempre pertenceu à mesma família; possui uma arquitetura incomparável, e seus séculos de história se refletem em grande parte no mobiliário que foi preservado até hoje. Continue Lendo

Conversa, Henri Matisse

Conversa, Henri Matisse

Neste quadro Matisse “eterniza” uma conversa entre duas personagens que ladeiam uma janela que rasga uma parede azul, azul muito forte e que deixa ver a paisagem exterior, de cores joviais.

Estão implacavelmente opostos. Continue Lendo