Pierre-Auguste Renoir

História das Artes > Prazer em conhecer > Pierre-Auguste Renoir
Pierre-Auguste Renoir

Pintor inovador, Pierre-Auguste Renoir nasceu em 25 de fevereiro de 1841, em Limoges, França. Filho de um alfaiate e uma costureira, Pierre-Auguste Renoir veio de origens humildes. Ele foi o sexto filho do casal, mas dois de seus irmãos mais velhos morreram quando bebês. A família mudou-se para Paris em algum momento entre 1844 e 1846, vivendo perto do Louvre. Ele frequentou uma escola católica local.

Adolescente, Renoir tornou-se aprendiz de um pintor de porcelana. Ele aprendeu a copiar desenhos para decorar pratos e outra louça. Em pouco tempo, Renoir começou a fazer outros tipos de pintura decorativa para ganhar a vida. Ele também teve aulas de desenho livre em uma escola de arte patrocinada pela cidade, que eram ensinadas pelo escultor Louis-Denis Caillouette.

Usando a imitação como uma ferramenta de aprendizagem, aos 19 anos de idade, Renoir começou a estudar e copiar algumas das grandes obras penduradas no Louvre. Ele então entrou na Ecole des Beaux-Arts, uma escola de arte famosa, em 1862. Renoir também se tornou um estudante de Charles Gleyre. No estúdio de Gleyre, Renoir logo fez amizade com outros três jovens artistas: Frederic Bazille, Claude Monet e Alfred Sisley. E através de Monet, ele conheceu tais talentos emergentes como Camille Pissarro e Paul Cézanne.

Início de Carreira

Em 1864, Renoir ganhou aceitação na exposição anual do Salão de Paris. Lá, ele mostrou a pintura, ” La Esmeralda “, que foi inspirada por uma personagem de Victor Hugo no romance O Concunda de Notre-Dame de Paris. No ano seguinte, Renoir expôs novamente no Salão, desta vez exibindo um retrato de William Sisley, o pai rico do artista Alfred Sisley.

Enquanto suas obras expostas no Salão ajudaram a mostrar seu perfil no mundo da arte, Renoir teve que lutar para ganhar a vida. Ele procurou comissões para retratos e muitas vezes dependia da bondade de seus amigos, mentores e patronos. O artista Jules Le Coeur e sua família serviu como fortes defensores de Renoir por muitos anos. Renoir também se manteve perto de Monet, Bazille e Sisley, às vezes, ficava em suas casas compartilhando seus estúdios. De acordo com muitas biografias, ele parecia não ter endereço fixo durante a sua carreira cedo.

Por volta de 1867, Renoir conheceu Lise Tréhot, uma costureira que se tornou sua modelo. Ela serviu de modelo para obras como “Diana” (1867) e ” Lise” (1867). Os dois também teriam um envolvimento amoroso. Segundo alguns relatos, ela deu à luz sua primeira filha, chamada Jeanne, em 1870. Renoir não reconheceu publicamente sua filha durante a sua vida.

Renoir teve de fazer uma pausa de seu trabalho em 1870, quando ele foi convocado para o exército para servir na guerra da França contra a Alemanha. Ele foi designado para uma unidade de cavalaria, mas ele logo caiu doente com disenteria. Renoir nunca viveu qualquer ação durante a guerra, ao contrário de seu amigo Bazille, que foi morto em novembro daquele ano.

Líder do impressionismo

Após a guerra que terminou em 1871, Renoir, eventualmente, fazia seu caminho de volta para Paris. Ele e alguns de seus amigos, incluindo Pissarro, Monet, Cézanne e Edgar Degas, decidiram mostrar as suas obras por conta própria, em Paris, em 1874, que se tornou conhecida como a primeira exposição impressionista. O nome do grupo é derivado de uma revisão crítica da sua mostra, em que as obras foram chamadas de “impressões” em vez de pinturas acabadas feitas usando métodos tradicionais. Renoir, como outros impressionistas, abraçou uma paleta mais brilhante para suas pinturas, que lhes deu uma sensação quente e ensolarado. Ele também usou diferentes tipos de pinceladas para capturar sua visão artística nas suas telas.

Como a primeira exposição impressionista não foi um sucesso, Renoir logo encontrou outros clientes de apoio para impulsionar sua carreira. O rico editor Georges Charpentier e sua esposa Marguerite tiveram um grande interesse no artista e convidando-o para inúmeras reuniões sociais em sua casa em Paris. Através dos Charpentiers, Renoir conheceu escritores famosos como Gustave Flaubert e Émile Zola. Ele também recebeu comissões para retratar os amigos do casal. Sua pintura 1878, “Madame Charpentier e seus filhos” foi apresentada no Salão oficial do ano seguinte e levou-o a admiração da crítica.

Sucesso internacional

Financiado com o dinheiro de suas comissões, Renoir fez várias viagens inspiradoras no início dos anos 1880. Ele visitou a Argélia e a Itália, e passou um tempo no sul da França. Enquanto estava em Nápoles, Itália, Renoir trabalhou em um retrato do famoso compositor Richard Wagner.

Como sua fama cresceu, Renoir começou a se acalmar. Ele finalmente se casou com sua namorada de longa data Aline Charigot em 1890. O casal já tinha um filho, Pierre, que nasceu em 1885. Aline serviu de modelo para muitas de suas obras, incluindo “mãe que amamenta sua criança” (1886). Sua família cresceu com o nascimento de mais dois filhos, Jean, em 1894, e Claude, em 1901, e que foram inspiração para uma série de pinturas.

À medida que envelhecia, Renoir continuou a usar sua marca registrada pinceladas de penas para descrever cenas principalmente rurais e domésticas. Seu trabalho, no entanto, exigia mais e mais fisicamente do artista. Renoir lutava com reumatismo, desde meados da década de 1890, doença que o atormentara para o resto de sua vida.

Anos finais

Em 1907, Renoir comprou um terreno em Cagnes-sur-Mer, onde ele construiu uma mansão para sua família. Ele continuou a trabalhar, pintava sempre que podia. O reumatismo tinha desfigurado suas mãos, deixando seus dedos encolhidos permanentemente. Renoir também teve um acidente vascular cerebral em 1912, que o deixou em uma cadeira de rodas. Durante esse período, ele tentou fazer esculturas.  Também trabalhou com assistentes para criar trabalhos com base em algumas de suas pinturas.

Renoir continuou a pintar até sua morte. Ele viveu tempo suficiente para ver um de seus trabalhos comprados pelo Louvre em 1919, uma grande honra para qualquer artista. Renoir morreu em dezembro daquele ano em sua casa em Cagnes-sur-Mer, França. Ele foi enterrado ao lado de sua esposa, Aline, que faleceu em 1915, em sua cidade natal de Essoyes, França.

Além de ter deixando mais de duzentas obras de arte, Renoir serviu de inspiração para muitos outros artistas, Pierre Bonnard, Henri Matisse e Pablo Picasso são apenas alguns que beneficiaram de estilo e métodos artísticos de Renoir.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *