Autor: Simone Martins

História das Artes > Artigos postados por Simone Martins
O Casamento de Isaac e Rebeca, Claude Lorrain

O Casamento de Isaac e Rebeca, Claude Lorrain

As paisagens de Claude Lorrain são um sonho poético, imagens de um mundo abundante, seguro, fértil e domesticado, onde o homem e a natureza coexistem em pacífica harmonia.  Continue Lendo

Bacanal diante de uma Estátua de Pã, Nicolas Poussin

Bacanal diante de uma Estátua de Pã, Nicolas Poussin

Poussin, como Claude Lorrain, escolheu Roma como residência permanente desde que aí chegou, com trinta anos de idade, vindo da sua França natal, em 1624. Ali estudou a estatuária antiga, o classicismo de Rafael e de Annibale Carracci, a vitalidade cromática de Ticiano, elementos que se manifestaram na composição desta festa pagã, na anatomia dos protagonistas, na concentração de Continue Lendo

As Vaidades da Vida Humana, Harmen Steenwyck

As Vaidades da Vida Humana, Harmen Steenwyck

Este intrigante quadro de Steenwyck é um belo exemplo de um tipo de natureza-morta conhecida como Vanitas. É repleto de referências à morte e ao vazio da vida, e quanto mais o estudamos, mais ele revela ser um sermão visual baseado nos ensinamentos do Livro do Eclesiastes, no Velho Testamento. Em latim, vanitas significa vaidade, no sentido de algo vão, sem valor, e não no Continue Lendo

A Forja de Vulcano, Diego Velázquez

A Forja de Vulcano, Diego Velázquez

A cena representa a entrada de Apolo na forja de Vulcano, a quem o jovem deus revela a traição da sua mulher, Vênus, com Marte; a notícia também colhe de surpresa os ajudantes do ferreiro divino, ocupados na fabricação das armas para o deus da guerra. Continue Lendo

Paisagem com Moisés Salvo das Águas, Claude Lorrain

Paisagem com Moisés Salvo das Águas, Claude Lorrain

Considerado como um dos intérpretes de paisagem mais célebres do século 18, Lorrain mudou-se em 1613, ainda adolescente, da sua Lorena natal para Roma, onde excetuando breves estadas em Nápoles e no seu país de origem, permaneceu até a sua morte, em 1682, em estreito contato com o círculo de pintores nórdicos da zona de Santa Maria del Popolo. Continue Lendo

A Sagrada Família com um Passarinho, Bartolomé Esteban Murillo

A Sagrada Família com um Passarinho, Bartolomé Esteban Murillo

Na história da arte e da literatura espanholas, o século 17 é o Século de Ouro, o século brilhante de glória cultural que faz da nação ibérica ponto de referência para compreender o esplendor, os projetos e as inquietações de uma época. Continue Lendo

Rogier van der Weyden

Rogier van der Weyden

O nome de Rogier van der Weyden esteve, ao longo da história, seriamente ameaçado: como nunca assinou nem datou seus trabalhos, eles foram confundidos com os de contemporâneos seus, como Van Eyck e outros homônimos, também pintores, na Bélgica flamenga do século 15; e críticos chegaram a levantar a hipótese de que ele nem teria existido. Assim, não fosse a descoberta de Continue Lendo

O Combatente Téméraire, J.M.William Turner

O Combatente Téméraire, J.M.William Turner

Um dos quadros mais populares de Turner, desde o dia de sua exposição, tanto por seus sentimentos patrióticos como por seu fulgurante esplendor. A tela mostra o navio de guerra Téméraire, sendo rebocado pelo Tâmisa para um estaleiro de desmontagem. O navio a toda vela navegando ao fundo relembra os dias glória do próprio Téméraire, enquanto que a boia escura que emerge em Continue Lendo

Maçãs e Laranjas, Paul Cézanne

Maçãs e Laranjas, Paul Cézanne

É uma das suntuosas naturezas-mortas de Cézanne e vale como um inventário estético: a autonomia expressiva é total, não existindo nenhum intuito naturalista: os vários planos e perspectivas se somam numa antecipação cubista de sensações de cor e forma; tonalidades quentes – amarelo, ocre e vermelho – pulsam dentro do contorno sóbrio das circunferências que as limitam. Pintada em Continue Lendo

Uma Dança para a Música do Tempo, Nicolas Poussin

Uma Dança para a Música do Tempo, Nicolas Poussin

Este pequeno, mas precioso, quadro de Poussin foi encontrado pelo cardeal Giulio Rospigliosi, que depois se tornou o papa Clemente IX. Filósofo e dramaturgo, era um colecionador que admirava o trabalho de Poussin. O quadro apresenta uma mensagem intelectual, ou um quebra-cabeça, e é um tratado de miniatura sobre o tempo, o destino e a condição humana, apelando mais para razão Continue Lendo