National Gallery de Londres

História das Artes > Posts com a tag "National Gallery de Londres"
Mulher Banhando-se no Riacho, Rembrandt

Mulher Banhando-se no Riacho, Rembrandt

O quadro é uma das obras-primas do artista, no auge da fama e do domínio absoluto da sua arte. É uma imagem delicadamente íntima, informal na pose e de uma irresistível proximidade que se supôs tratar-se de uma obra incompleta. Continue Lendo

A Tragédia, Pablo Picasso

A Tragédia, Pablo Picasso

Na época em que Pablo Picasso se tinha mudado para Paris, que corresponde ao Período azul (1902/1904), surgiram várias obras do artista, em  uma série de obras nos quais retratam sempre uma atmosfera de tristeza.

A Fase Azul se deve ao fato da maioria das personagens representadas revelar, através do seu aspeto, o seu terrível estado não só emocional, mas também físico. Continue Lendo

A Ressurreição de Lázaro, Sebastiano del Piombo

A Ressurreição de Lázaro, Sebastiano del Piombo

Sebastiano, veneziano de origem mas instalado em Roma em 1511, pinta este grande quadro para a Catedral de Narbona, no Sudoeste de França, por encomenda do cardeal Júlio de Médicis (futuro para Clemente VII), em virtual competição com Rafael, que estava trabalhando para o mesmo destinatário e a mesma catedral francesa, na obra Transfiguração (Roma, Museus do Vaticano). Continue Lendo

O Homem de Turbante, Jan van Eyck

O Homem de Turbante, Jan van Eyck

O quadro, talvez um autorretrato, é um dos raros quadros pintados no século 15 que conservaram a sua própria moldura original – autografada acima com caracteres gregos: “Als Ich Can” (“Como eu/Eyck posso”) e datada abaixo (“Jan van Eyck fez-me 1433 21 Outubro”) -, janela pela qual a luz invade em perspectiva a figura que aflora e sugere os volumes e a qualidade das superfícies. Continue Lendo

Dona Isabel de Porcel, Francisco de Goya

Dona Isabel de Porcel, Francisco de Goya

O pintor expôs esta obra-prima da maestria retratística em 1805 em Madri, na Real Academia de Belas Artes de São Fernando. A identificação da senhora está numa nota escrita atrás da tela, e Goya pintou também o retrato do marido Dom Antonio, seu amigo íntimo, obra que viria a desaparecer num incêndio.

Continue Lendo

O Casamento de Isaac e Rebeca, Claude Lorrain

O Casamento de Isaac e Rebeca, Claude Lorrain

As paisagens de Claude Lorrain são um sonho poético, imagens de um mundo abundante, seguro, fértil e domesticado, onde o homem e a natureza coexistem em pacífica harmonia.  Continue Lendo

Bacanal diante de uma Estátua de Pã, Nicolas Poussin

Bacanal diante de uma Estátua de Pã, Nicolas Poussin

Poussin, como Claude Lorrain, escolheu Roma como residência permanente desde que aí chegou, com trinta anos de idade, vindo da sua França natal, em 1624. Ali estudou a estatuária antiga, o classicismo de Rafael e de Annibale Carracci, a vitalidade cromática de Ticiano, elementos que se manifestaram na composição desta festa pagã, na anatomia dos protagonistas, na concentração de Continue Lendo

As Vaidades da Vida Humana, Harmen Steenwyck

As Vaidades da Vida Humana, Harmen Steenwyck

Este intrigante quadro de Steenwyck é um belo exemplo de um tipo de natureza-morta conhecida como Vanitas. É repleto de referências à morte e ao vazio da vida, e quanto mais o estudamos, mais ele revela ser um sermão visual baseado nos ensinamentos do Livro do Eclesiastes, no Velho Testamento. Em latim, vanitas significa vaidade, no sentido de algo vão, sem valor, e não no Continue Lendo

O Combatente Téméraire, J.M.William Turner

O Combatente Téméraire, J.M.William Turner

Um dos quadros mais populares de Turner, desde o dia de sua exposição, tanto por seus sentimentos patrióticos como por seu fulgurante esplendor. A tela mostra o navio de guerra Téméraire, sendo rebocado pelo Tâmisa para um estaleiro de desmontagem. O navio a toda vela navegando ao fundo relembra os dias glória do próprio Téméraire, enquanto que a boia escura que emerge em Continue Lendo

O Julgamento de Páris, Peter Paul Rubens

O Julgamento de Páris, Peter Paul Rubens

Dentre todos os temas mitológicos, tratados pelos artistas, aquele que gozou de maior popularidade foi, sem dúvida, o episódio das três deusas em competição para a conquista da superioridade da beleza. Juno, Minerva e Vênus dirigem-se a Páris, príncipe troiano e pastor, para saberem qual dentre elas é a mais bela: a oferta da maçã de ouro, também chamada “pomo da discórdia”, a Vênus Continue Lendo