Mês: setembro 2018

A Ressurreição de Lázaro, Sebastiano del Piombo

A Ressurreição de Lázaro, Sebastiano del Piombo

Sebastiano, veneziano de origem mas instalado em Roma em 1511, pinta este grande quadro para a Catedral de Narbona, no Sudoeste de França, por encomenda do cardeal Júlio de Médicis (futuro para Clemente VII), em virtual competição com Rafael, que estava trabalhando para o mesmo destinatário e a mesma catedral francesa, na obra Transfiguração (Roma, Museus do Vaticano). Continue Lendo

Jovem vestido como toureiro, Edouard Manet

Jovem vestido como toureiro, Edouard Manet

Nesta obra Manet diverte-se a pintar o seu irmão Gustave vestido com a roupagem típica do sul de Espanha.

Conta a história é que Edouard Manet fazia coleção de roupas espanholas, que o atraiam pelo seu exotismo e as suas comemorações. Continue Lendo

Cristo no Calvário, Juan de Valdés Leal

Cristo no Calvário, Juan de Valdés Leal

Concidadão e quase contemporâneo de Murillo, Valdés Leal representa um aspecto distinto da pintura devota espanhola do século 17. O que em Murillo é agradável, amável, suave e familiar, nele é obscuro e dramático, carregado de paixão, violenta, representante de uma religiosidade mortificada. Continue Lendo

Via Aérea | Sesc Belenzinho | SP

Via Aérea | Sesc Belenzinho | SP

A coletiva Via Aérea reúne trabalhos selecionados de 12 artistas de diferentes nacionalidades, entre brasileiros e estrangeiros, que apresentam um conjunto de obras formado por esculturas, instalação, filme, fotografias, vídeos. Continue Lendo

Peggy Guggenheim: Paixão por Arte

Peggy Guggenheim: Paixão por Arte

Em 1921, com 20 e poucos anos e uma herança, Peggy Guggenheim partiu de Nova York para Paris. Rapidamente se aproximou da boemia parisiense, fazendo amizade com Jean Cocteau, Duchamp e Man Ray, entre muitos artistas modernos. Visionária e apaixonada por arte, iniciou nesse período o que viria a ser uma das mais importantes coleções de arte do século 20.

O documentário Peggy Guggenheim: Paixão por Arte retrata seu corajoso percurso, seu mecenato de artistas como Pollock, suas relações, por vezes amorosas, com mestres como Max Ernst e Samuel Beckett, e a fundação da Coleção Peggy Guggenheim, em Veneza.

Marguerite “Peggy” Guggenheim (1898–1979) além de uma grande herdeira, foi mecenas de artistas e dona de uma das mais importantes coleções de arte moderna do século 20. Ela era filha de Benjamin Guggenheim, que faleceu no naufrágio do Titanic, em 1912, e sobrinha de Solomon R. Guggenheim, que estabeleceu a Fundação Solomon R. Guggenheim, com museus em vários países.

Fazer uma pintura moderna, cores emocionais

Fazer uma pintura moderna, cores emocionais

História da Arte para Crianças

Chegando o Modernismo

Na Europa no final do século XIX e início do século XX, muitos artistas não mais desenhavam seguindo as regras ensinadas nas academias de arte.

Eles buscavam novas formas de desenhar, esculpir e pintar, e assim deram origem a novos estilos artísticos. Continue Lendo

Porta de Ishtar

Porta de Ishtar

A Porta de Ishtar foi a oitava porta do lado norte da muralha da cidade da Babilônia, construída aproximadamente em 575 a.C., por ordem do rei Nabucodonosor II, que reinou entre 604 e 562 a.C., no auge do Império Neobabilônico. Ele ordenou a construção da porta e dedicou-a à deusa babilônica Ishtar. Escavada entre os anos de 1902 e 1914, por Robert Koldewey, a porta e a Via  Processional foram reconstruídas com seus tijolos originais, em 1930, no Museu Pergamon em Berlim.

Continue Lendo

A Dança, Henri Matisse

A Dança, Henri Matisse

Acredita-se que a ideia da composição surgiu em 1905, enquanto o pintor observava alguns pescadores realizando uma dança de roda, a sardana, em uma praia do sul da França. As formas simplificadas das dançarinas ocupam toda a tela, em um padrão rítmico de movimento expressivo. Continue Lendo