Alhambra, Granada

Alhambra, Granada

A combinação mágica de espaço, luz, água e decoração caracterizam este sensual exemplar de arquitetura. ele foi construído sob Ismail I e Muhammad V, califas, quando a dinastia násrida governava Granada. 

Procurando desfazer a imagem de poder em declínio, criaram seu paraíso terrestre. Foram usados materiais baratos (gesso, madeira e azulejos), mas soberbamente trabalhados. O Alhambra sofreu pilhagem e abandono – incluindo uma tentativa de exploração pelas tropas de Napoleão -, mas foi extensamente restaurado recentemente. Seu trabalho artesanal ainda fascina.

Fatos históricos importantes

Em 1238, Muhammad I, fundador da Dinastia Násrida, instala a sede da corte na colina de Sabika, iniciando a edificação de Alhambra.

Entre os anos de 1333 e 1354, Yasuf I, sétimo soberano da Dinastia Násrida, edifica o Palácio de Comares.

Nos anos de 1354-59 e 1362-91, são as etapas de maior apogeu do sultanato násrida, destaca-se a construção do Palácio dos Leões por Muhammad V.

Muhammad XII – Boabdil, último sultão násrida, em 2 de janeiro de 1492 entrega Alhambra aos Reis Católicos.

Os Reis Católicos, Isabel I de Castilha e Fernando II de Aragão, estabelecem em Alhambra a Casa Real e sede da Capitânia Geral do Reino de Granada, em virtude disso realizam diversas reformas.

Em 1526, Carlos V visita Alhambra, depois de seu casamento em Sevilha com Isabel de Portugal, e decide construir o Palácio, uma das obras mais significativas do renascimento espanhol.

Em 1773, a Real Academia de Belas Artes de São Fernando termina a primeira análise científica e planimétrico do monumento.

Washington Irving, escritor americano, em 1829, viaja para Granada onde se inspira para escrever “Contos de Alhambra”.

Alhambra é declarada Monumento Nacional em 1870.

Leopoldo Torres Balbás, entre os anos de 1923 a 1936, se torna o precursor da restauração científica, foi arquiteto conservador de Alhambra e de Generalife, destacam-se suas intervenções no Palácio dos Leões, no Patio del Mexuar e no Partal.

Em 1984, o Comitê de Patrimônio Mundial da UNESCO declara Alhambra e Generalife Patrimônio Mundial.

Destaques da construção

Os Palácios Násrides é um conjunto de três palácios: Palácio de Mexuar, Ismail (1314-1325) e Muhammad V (1362-1391), Palácio de Comares, Yusuf (1333-1354) e Muhammad V (1362-1391) e Palácio dos Leões, Muhammad V (1362-1391).

Generalife compreende os jardins baixos, o palácio de Generalife e os jardins altos. Foram construídos para ser o lugar de recreação para os reis de Granada quando esses queriam fugir da vida oficial do palácio.

O Patio de Arrayanes possui uma piscina, situada entre sebes de mirta e graciosas arcadas reflete luz nas salas ao seu redor.

O Partal é a área que compreende o pórtico do palácio, os jardins e os passeios, a Rauda, o Palácio de Yusuf III e o passeio das Torres.

Alcazaba é uma das partes mais antigas de Alhambra e a área militar do lugar. Nessa área, pode-se visitar: o terraço da Torre do Cubo, o parapeito da muralha norte, a Praça das Armas, que inclui o Bairro Castrense, o terraço da Porta das Armas, a Torre da Vela e o Jardim dos Adarves, que ficam em um caminho estreito situado sobre a muralha e protegido por um parapeito, que permitia tanto fazer a ronda dos sentinelas como a distribuição de defensores.

Patronato de la Alhambra y Generalife. Calle Real e la Alhambra s/nº. Granada. Espanha. Aberto de abril a outubro, de segunda a domingo, das 8h30 às 20h; de outubro a março, de segunda a domingo, das 8h30 às 18h. O acesso aos Palácios Násrides deve ser realizado no horário indicado no bilhete. Também é possível fazer visitas noturnas de acordo com horários específicos.

Fique atento! Horários podem mudar sem aviso prévio. Consulte sempre os sites oficiais.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *