Eco de la Montaña

Eco de la Montaña

A marginalidade do povo huichol e a política governamental mexicana de exaltar o folclore e as culturas indígenas no exterior, mas deixar invisível a existência dos seus criadores, que ficam claras logo nos primeiros minutos do documentário Eco de la Montaña.

Em 1997, o presidente Ernesto Zedillo presenteou o governo francês com um mural huichol que foi colocado na estação de metrô o Museu do Louvre. O gesto é cheio de ironia: a peça está no subsolo; não alcançou status suficiente para entrar no monumento do saque e da colonização que é o Louvre – além de sua função como espaço de exposição cultural e canonização.

O questionamento entre arte e artesanato, embora não de maneira evidente, permanece vivo durante todo o filme. O autor da peça, Santos de la Torre, está tão à margem que nem foi convidado para colocar corretamente o mural colorido feito de contas que representa a cosmogonia de seu povo; muito menos ele foi convidado para a inauguração pomposa com personalidades políticas e artísticas em Paris.

Trata-se do reconhecimento do artista Santos de la Torre como uma voz que fala pelo seu povo, que desenvolveu uma consciência ancestral, abertamente conectada com sua geografia, seus antepassados, sua essência, seus deuses, mas também consciente de que seu país não se interessa por sua gente, que explora sua terra e sua arte.

A história é construída de forma paralelamente como um outro mural, no qual os pequenos mosaicos que o compõem as reflexões de Santos de La Torre, a rota do peiote, sua vida familiar, uma visita ao museu , etc.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: