Isla Negra Casa Museo Pablo Neruda

História das Artes > Museus > Isla Negra Casa Museo Pablo Neruda
Isla Negra Casa Museo Pablo Neruda

Por causa do poder evocativo dos seus objetos e pelo ambiente dominado pela presença do mar, a casa de Isla Negra é uma espécie de compêndio visual e material do imaginário poético de Neruda.

O lugar foi originalmente chamado Las Gaviotas. O poeta renomeou Isla Negra por causa da cor de suas rochas e talvez porque ele pudesse se isolar para escrever.

Ao voltar da Europa para o Chile, em 1937, procurava um lugar para se dedicar ao sua obra Canto General, um grande livro sobre história e natureza americanas.

Em 1938, ele compra de Eladio Sobrino, marinheiro espanhol, o lugar com uma pequena cabana de pedra. No inverno de 1943, com o arquiteto catalão Germán Rodríguez Arias, o poeta iniciou uma série de ampliações que terminaram em março de 1945.

Anos depois, a partir de 1965, junto com o arquiteto Sergio Soza projetou os arcos que unem os corpos da casa, os recintos que abrigam a sala dos cavalos e a Covacha. Este foi um espaço em que o poeta se comprometeu a escrever. Ele colocou um teto de zinco para ouvir o canto da chuva e evocou, mais uma vez, as sensações da casa que ele habitava em sua infância, no chuvoso sul do Chile.

As coleções mais importantes que são conservadas nesta casa estão ligadas ao mar: figuras de proa, réplicas de veleiros, barcos dentro de garrafas, conchas, dentes de baleia. Há também espaços que comemoram sua amizade com alguns poetas, cujos nomes ele fez gravar nas vigas do bar. Outras coleções também são mostradas aos visitantes, como garrafas de formas estranhas, máscaras, sapatos velhos e cachimbos.

Nesta casa, Neruda escreveu uma parte importante de sua obra literária e exerceu sua hospitalidade.

Ele costumava celebrar os feriados nacionais, como fez em 1973, apesar da situação que vivia o Chile logo depois do golpe de Estado de Augusto Pinochet e da sua avançada enfermidade. Em 18 de setembro alguns amigos chegaram nesta casa, trazendo notícias alarmantes.

No dia seguinte seu estado se agravou e ele foi levado de ambulância para a Clínica Santa María na capital, onde morre em 23 de setembro. Só voltaria a Isla Negra em dezembro de 1992, quando seus restos mortais foram transferidos para lá, junto com os de sua esposa, Matilde Urrutia.

Este funeral foi realizado com todas as honras que o poeta merecia e com a ajuda das mais altas autoridades da nação. Assim, a vontade que Neruda havia expressado quase cinquenta anos atrás em seu poema “Disposiciones”, de Canto General, foi cumprida:

“Camaradas, enterrem-me em Isla Negra, / em frente ao mar que eu conheço, a toda área de pedras e ondas que meus olhos perderam / não verão de novo …”

A Fundação Neruda cuida e administra as três Casas Museus de Pablo Neruda no Chile: “La Chascona”, em Santiago; “La Sebastiana”, em Valparaiso; e “Isla Negra”.


Um grupo de 16 especialistas internacionais convocados pela Justiça chilena concluiu, em 20/10/17, que o poeta e prêmio Nobel de Literatura Pablo Neruda não morreu devido a um câncer de próstata, como consta em sua certidão de óbito, pouco depois do golpe militar de 1973.

O simpósio com especialistas do Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Espanha e Chile buscou confirmar ou excluir a hipótese de que existiu uma intoxicação voluntária e deliberada para matar o autor mediante a administração de germes ou toxinas bacterianas.

Apesar das dúvidas geradas por sua morte repentina, foi necessário esperar quatro décadas para que a versão do assassinato ganhasse força. Isso aconteceu em 2011, com a publicação de declarações do motorista e assistente pessoal de Neruda, Manuel Araya, que afirmou que o poeta piorou depois que lhe aplicaram uma injeção no abdômen.


Isla Negra Casa Museo Pablo Neruda. Rua Poeta Neruda s/nº – Isla Negra – El Quisco – Região de Valparaíso – Chile. Aberta de março a dezembro: de terça a domingo, das 10h às 18h; janeiro e fevereiro: de terça a domingo, das 19h às 19h.

Fique atento! O horário pode sofrer modificação. Consulte o site oficial da instituição.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *