Minha Amada Imortal

Minha Amada Imortal

Com direção de Bernard Rose, o filme Minha Amada Imortal aborda, de forma romanceada, o misterioso amor de Ludwig Von Beethoven. Quando ele morre, em 1827, um grande amigo dele, Anton Felix Schindler, decide cumprir o último desejo do maestro, que deixava em testamento tudo para a “Amada Imortal”, sem especificar o nome desta mulher. Assim empreende uma jornada tentando descobrir a misteriosa musa do compositor depois de encontrar as cartas de amor que escreviam.

Amada Imortal (Unsterbliche Geliebte em alemão) é como ficou conhecida a pessoa a quem foi endereçada a tal carta de amor, escrita em 1812 em Teplice, atual República Checa.

A carta, escrita à lápis, possivelmente não foi enviada e foi encontrada na casa do compositor após sua morte. Ela ficou sob os cuidados de Anton Félix Schindler até sua morte, quando então ficou com sua irmã, e então foi vendida em 1880 para a Biblioteca Estatal de Berlim, onde permanece até hoje.

Beethoven não especificou um ano ou local na carta. Tais informações só foram determinadas nos anos 1950 por meio de uma análise da marca d’água do papel.

Não há consenso entre os estudiosos sobre quem seria a mulher a quem o texto foi endereçado.

Segue um trecho da carta de amor de Beethoven:

“Meu anjo, meu tudo, meu próprio ser – Hoje apenas algumas palavras à caneta (à tua caneta). Só amanhã os meus alugueres estarão definidos – que desperdício de tempo… Por que sinto essa tristeza profunda se é a necessidade quem manda? Pode o teu amor resistir a todo sacrifício embora não exijamos tudo um do outro? Podes tu mudar o fato de que és completamente minha e eu completamente teu? Oh Deus! Olha para as belezas da natureza e conforta o teu coração. O amor exige tudo, assim sou como tu, e tu és comigo. Mas esqueces-te tão facilmente que eu vivo por ti e por mim. Se estivéssemos completamente unidos, tu sentirias essa dor assim como eu a sinto. […] Nós provavelmente devemos nos ver em breve, entretanto, hoje eu não posso dividir contigo os pensamentos que tive nos últimos dias sobre minha própria vida – Se os nossos corações estivessem sempre juntos, eu não teria nenhum… O meu coração está cheio de coisas que eu gostaria de te dizer – ah – há momentos em que sinto que esse discurso é tão vazio – Alegra-te – Lembra-te da minha verdade, o meu único tesouro, o meu tudo como eu sou o teu. Os deuses devem-nos mandar paz… Teu fiel Ludwig”

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *