Palazzo Corsini

Palazzo Corsini

A história do Palazzo Corsini começou em 1511 com o edifício construído pelo cardeal Raffaele Riario nas terras da Via della Lungara.

O edifício original foi modificado entre 1659 e 1689, quando se tornou a residência da rainha Christina da Suécia, que se mudou para Roma em 1655 após se converter ao catolicismo. A rainha, uma mulher de grande cultura e amante das artes, também usou o edifício como sede do círculo intelectual que ela estabeleceu e modificou o interior para abrigar a coleção de estátuas no térreo e a galeria no andar principal. Um vestígio dessa fase da história do palácio é preservado no Quarto da Rainha, onde abriga as decorações do século 16.

A propriedade do palácio só foi transferida para os Corsinos em 1736 após a eleição para o trono papal de Lorenzo, que se tornou papa com o nome de Clemente XII. A rica família florentina precisava de uma residência em Roma adequada ao novo status pontifício e encarregou o arquiteto Ferdinando Fuga de renovar as partes existentes do edifício e expandi-lo com novas estruturas.

Fuga projeta uma ala especular para o edifício existente e um corpo central com uma escadaria monumental: os três edifícios são unidos pela fachada linear e majestosa na Via della Lungara, enquanto a parte de trás, com vista para o vasto jardim que sobe ao Gianicolo , tem uma tendência áspera e articulada.

Os Corsinis usaram o prédio até 1883, quando o príncipe Tommaso Junior vendeu a propriedade e doou toda a coleção ao Reino da Itália, contribuindo para o nascimento da primeira Galeria Nacional Italiana.

Uma parte do edifício é agora a sede da Accademia dei Lincei, em cuja biblioteca a coleção de livros do cardeal sobrinho Neri Corsini se fundiu, enquanto a extraordinária coleção de gravuras constitui o núcleo mais antigo do atual Instituto Nacional de Gráficos.

O jardim, reorganizado por Fuga nas obras do século 18, hoje constitui o Jardim Botânico de Roma.

A Galeria Corsini é a única coleção romana de pinturas do século 18 que ainda está praticamente inalterada: isso ocorreu no momento da venda do palácio ao Reino da Itália (1883), o príncipe Tommaso Corsini doou, em conjunto com o edifício, toda a coleção de obras. As coleções foram criadas graças à contribuição dos vários membros da família Corsini.

Contempla os mestres do século 17, italianos e outros (Caravaggio, Reni, Guercino, Rubens, van Wittel), a tradição italiana do século 11 e a pintura contemporânea.

Palazzo Corsini. Via della Lungara, 10 – Roma – Itália. Aberto de quarta a segunda, das 8h30 às 19h.

Fique atento! O horário pode sofrer modificação. Consulte o site oficial da instituição.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: