Prazer em Conhecer

História das Artes > Posts com a tag "Prazer em Conhecer"
Marcello Nitsche

Marcello Nitsche

Nasceu em 1942, na cidade de São Paulo. Filho de pai pintor de móveis e mãe decoradora de móveis, ambos nascidos na Alemanha, cursou a Escola Profissional Getúlio Vargas, que preparava pintores profissionais. Pintor, artista intermédia, escultor, desenhista, gravador e professor. Continue Lendo

Theo, o irmão devotado

Theo, o irmão devotado

Durante toda sua vida, Van Gogh, recebeu do irmão Theo apoio irrestrito e total lealdade. Dividiram o apartamento de Montmartre; quando Vincent mudou-se para Arles e, depois, em Saint-Remy, Theo continuou a sustentá-lo e a encorajá-lo.Essa afeição, de certo modo, custou-lhe a vida, pois ele morreu subitamente, seis meses depois de Van Gogh, deixando uma esposa jovem e um bebê chamado Vincent. Continue Lendo

Carmela Gross

Carmela Gross

Artista multimídia.

Maria do Carmo Gross Nitsche, nasceu em São Paulo no ano de 1946.

Carmela Gross começa seu trabalho em um período movimentado da arte brasileira, quando estão em pauta discussões sobre as novas formas de produção artística no Brasil, a aproximação da arte com a vida e a apropriação visual de elementos da cultura de massa. Continue Lendo

Jannis Kounellis

Jannis Kounellis

É talvez um dos nomes mais conhecidos da arte contemporânea que lidou com materiais perecíveis, degradáveis ou orgânicos. Apesar de se situarem entre os territórios da escultura, da instalação e da performance, referia-se sempre aos seus trabalhos como “pinturas” e considerava-se um pintor. Continue Lendo

Lasar Segall

Lasar Segall

Foi um pintor lituano, radicado no Brasil. Lasar Segall nasceu em Vilna, capital da República da Lituânia no dia 21 de julho de 1891. Ainda criança já mostrava interesse pelo desenho. Com 14 anos ingressou na Academia de Desenho de sua cidade.

Em 1906, foi para Berlim, Alemanha, estudar na Academia Imperial, onde permanece durante cinco anos. Em 1911, mudou-se para a cidade de Dresden, onde estudou na Academia de Belas Artes. As lutas iniciais do pintor foram enormes, por introduzir ideias novas e revolucionárias, totalmente diversa da existente.

Em 1912, Segall veio para o Brasil, onde já estavam seus irmãos. Em 1913, faz duas exposições individuais, em São Paulo e em Campinas, ainda sem grande repercussão. E dessa época seu quadro “Dois Amigos”.

Voltou para Europa e em 1918, casou-se com Margarete Quack. Lasar Segal retornou ao Brasil em 1923, e dedicou-se à pintura. Sendo precursor do expressionismo, seu nome está ligado ao movimento expressionista da escola alemã.

Era comedido em seus traços, em suas cores e em suas representações. Mesmo os quadros que possuem cores vivas, traduzem aspectos sombrios. Lasar dedicou-se também ao desenho de uma série de móveis modernos.

Em 1925, já separado de Margarete, sua primeira esposa, casa-se com Genny Klabin, com quem teve dois filhos. Em 1927, pintou “Bananal”. Foi viver em Paris. Nessa época, passou a viver com a família em Paris, onde se dedicou também à escultura. Suas obras nessa fase remetem à atmosfera familiar e de intimidade.

Em 1932, Segall retornou definitivamente para o Brasil. instalando-se em São Paulo na casa projetada pelo arquiteto Gregori Warchavchik, seu cunhado. Participou da fundação da Sociedade Paulista Pró-Arte Moderna. Destacam-se ainda os quadros “Homem com Violino”, “Navios” e “Retrato de Mário de Andrade”.

Em 1938, Segall realizou os figurinos para o balé “Sonho de uma Noite de Verão”, encenado no Teatro Municipal de São Paulo. Uma retrospectiva de sua obra no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, foi realizada em 1943. Nesse mesmo ano, foi publicado um álbum com textos de Mário de Andrade, Manuel Bandeira e Jorge de Lima.

Em 1951, Segall realizou uma exposição no Museu de Arte de São Paulo. Três anos depois, criou os figurinos e cenários do balé “O Mandarim Maravilhoso”. Em 1957, realizou-se em Paris, a monumental “Exposição Segall”, no Museu de Arte Moderna, com 61 quadros, 22 esculturas de bronze, 200 desenhos, aquarelas e gravuras.

Em 1957, voltou para São Paulo. Lasar Segall faleceu em São Paulo, no dia 2 de agosto de 1957, de problemas cardíacos.

Sua residência, na Vila Mariana em São Paulo, abriga hoje o Museu Lasar Segall, onde possui um acervo de cerca de três mil obras de arte.