Lygia Clark

Lygia Clark

Lygia Pimentel Lins nasceu em Belo Horizonte MG no ano de 1920. Lygia Clark, em 1947, iniciou seu aprendizado artístico com Burle Marx (1909-1994).

Entre 1950 e 1952 passou a viver em Paris, onde estudou com Fernand Léger (1881-1955), Arpad Szenes (1897-1985) e Isaac Dobrinsky (1891-1973).

De volta para o Brasil, integrou o Grupo Frente, liderado por Ivan Serpa (1923-1973).

Lygia ainda participa, em 1954, com a série “Composições”, da Bienal de Veneza – fato que se repetirá, em 1968, quando é convidada a expor, em sala especial, toda a sua trajetória artística até aquele momento

É uma das fundadoras do Grupo Neoconcreto e participou da sua primeira exposição em 1959.

Trocou sua pintura gradualmente pela experiência com objetos tridimensionais.

Realizou proposições como a série Bichos, de 1960, construções metálicas geométricas que se articulam por meio de dobradiças e requerem a coo participação do espectador, nesse ano lecionava artes plásticas no Instituto Nacional de Educação dos Surdos.

A experiência com a maleabilidade de materiais duros converte-se em material flexível.

Lygia Clark chega à matéria mole: deixa de lado a matéria dura (a madeira), passa pelo metal flexível dos “Bichos” e chega à borracha na “Obra Mole, 1964”.

A transferência de poder, do artista para o propositor, tem um novo limite em “Caminhando, 1963”.

Cortar a fita significava, além da questão da “poética da transferência”, desligar-se da tradição da arte concreta, já que a “Unidade Tripartida, 1948-49”, de Max Bill, ícone da herança construtivista no Brasil, era constituída simbolicamente por uma fita de Moebius.

Esta fita distorcida na “Obra Mole” agora é recortada no “Caminhando”.

Era uma situação limite e o início claro de num novo paradigma nas Artes Visuais brasileiras. O objeto não estava mais fora do corpo, mas era o próprio “corpo” que interessava a Lygia. Dedicou-se à exploração sensorial em trabalhos como A Casa É o Corpo, de 1968.

Participa das exposições Opinião 66 e Nova Objetividade Brasileira, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ).

Reside em Paris entre 1970 e 1976, período em que leciona na Faculté d´Arts Plastiques St. Charles, na Sorbonne.

Nesse período sua atividade se afasta da produção de objetos estéticos e volta-se sobretudo para experiências corporais em que materiais quaisquer estabelecem relação entre os participantes.

Retornando para o Brasil em 1976 Lygia se dedicou ao estudo das possibilidades terapêuticas da arte sensorial e dos objetos relacionais.

Em 1981, Lygia diminui paulatinamente o ritmo de suas atividades.

Em 1983 é publicado, numa edição limitada de 24 exemplares, o “Livro Obra”, uma verdadeira obra aberta que acompanha, por meio de textos escritos pela própria artista e de estruturas manipuláveis, a trajetória da obra de Lygia desde as suas primeiras criações até o final de sua fase neoconcreta.

Em 1986, realiza-se, no Paço Imperial do Rio de Janeiro, o IX Salão de Artes Plásticas, com uma sala especial dedicada a Hélio Oiticica e Lygia Clark.

A exposição constitui a única grande retrospectiva dedicada a Lygia Clark ainda em atividade artística.

Sua prática fará que no final da vida a artista considere seu trabalho definitivamente alheio à arte e próximo à psicanálise.

A partir dos anos 1980 sua obra ganhou reconhecimento internacional com retrospectivas em várias capitais internacionais e em mostras antológicas da arte internacional do pós-guerra.

A trajetória de Lygia Clark faz dela uma artista atemporal e sem um lugar muito bem definido dentro da História da Arte.

Em 25 abril de 1988, Lygia Clark faleceu de ataque cardíaco. Ela não se casou.

 

 

COMO CITAR?

Para citar o História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. Lygia Clark. História das Artes, 2020. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/prazer-em-conhecer/lygia-clark/>. Acesso em 28 Sep 2020.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: