Desespero ou Autorretrato, Gustave Courbet

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Desespero ou Autorretrato, Gustave Courbet
Desespero ou Autorretrato, Gustave Courbet

Gustave Courbet foi um pintor francês pioneiro do estilo realista francês. Foi acima de tudo um pintor da vida camponesa de sua região.

Ergueu a bandeira do realismo contra a pintura literária ou de imaginação.

A pintura de Courbet do final dos anos 1840 e início dos anos 1850 trouxe-lhe o primeiro reconhecimento, desafiando convenções, descrevendo camponeses e trabalhadores de forma livre de idealizações, utilizando a grande escala tradicionalmente reservadas para pinturas de temas religiosos ou históricos.

Nas décadas que se seguiram, as pinturas de Courbet foram, na sua maioria, de caráter político, menos abertamente: paisagens, horizontes marítimos, cenas de caça, nus e naturezas-mortas.

“Espero sempre ganhar a vida com minha arte, sem me desviar um milímetro de meus princípios, sem ter mentido à minha consciência nem por um único momento, sem pintar sequer o que pode se coberto pela palma de minha mão para agradar a alguém, ou para vender mais facilmente.” disse o pintor.

O artista francês Gustave Courbet foi um dos mais verdadeiros em sua arte.

Entregou-se a ela inteiramente, comprometido com a sua verdade, sendo muitas vezes incompreendido, mas venerado após sua morte.

É dele a composição denominada O Desespero, tida como uma de suas obras-primas.

Trata-se de um autorretrato, que se encontra entre as 50 obras mais famosas do mundo.

Em seu autorretrato, com o rosto quadrado em “close-up”, o pintor olha para o observador, em total estado de desespero, como se estivesse a pedir-lhe socorro.

Ainda que se encontre nesse estado emotivo, ele se mostra belo, com seus grandes olhos escuros abertos, sobrancelhas grossas e bem feitas, testa contraída, bochechas coradas, que se contrapõem à palidez do rosto, bigode e barbichas negros, boca carnuda vermelha, entreaberta, e narinas dilatadas.

A sua beleza ameniza o estado de desespero, sendo o observador incapaz de ignorá-la.

As duas mãos sobre os cabelos escuros parecem querer arrancá-los. Os tendões das mãos e dos pulsos, assim como os do pescoço, mostram-se tensos, refletindo seu estado desesperador.

A fonte de luz, que despeja claridade sobre o retratado, vem de sua direita, como se estivesse a empurrá-lo para a frente.

Ao invés de mostrar um retrato, tradicionalmente vertical, Courbet usa o formato de paisagem (retangular e horizontal), que cria um espaço maior para a abertura dos braços, envoltos por uma camisa branca, em seu gestual aflitivo.

Segundo os estudiosos de arte, Gustave Courbet era uma pessoa generosa e jovial, que tinha gosto pela vida.

Mas também era melancólico e passava por momentos depressivos e de estafa.

Courbet gostava tanto desse quadro, que o manteve ligado a si.

Desespero ou Autorretrato

Ficha técnica
Título O desespero (autorretrato do artista)
Autor: Jean Désirè-Gustave Courbet
Ano: c. 1853-1855
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 45 x 54 cm
Acervo: coleção particular

Agora é sua vez! Nem sempre é fácil retratar uma emoção. Escolha uma que você gostaria de desenhar, mas não precisa ser um autorretrato, simplesmente retrate a emoção e pinte nas cores que essa mesma emoção lhe transmite.

Fotografe a sua obra e compartilhe nas nossas mídias sociais #historiadasartes/talento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *