As Grandes Banhistas, Renoir

As Grandes Banhistas, Renoir
   

Com este quadro, Renoir mudou o rumo da temática de boa parte de sua produção, para introduzir um tema novo para ele e que jamais abandonaria, pelo contrário, se acabaria tornando um de seus motivos mais constantes e que caracterizariam, a partir deste momento, o resto de sua obra artística. Este tema das banhistas foi o preferido por Renoir para aproximar-se ao estudo do nu feminino. Tema considerado clássico por excelência e que sempre foi o predileto de grande número de pintores que buscavam chegar a um exaustivo e preciso domínio da linha e do desenho de elaborada composição. E isto era precisamente o que o nosso pintor desejava conseguir, através de obras como esta: finalmente, recuperar o desenho e como ele mesmo afirmou: “aprender a pintar”.

As Grandes Banhistas marcam o início de uma nova etapa pictórica para Renoir a partir da qual ele se afasta definitivamente da técnica impressionista que seguira desde 1870. Este novo período, que começa por volta de 1883, é o que se tem denominado ácido; e se caracteriza por um claro interesse pela composição, pelo volume, e sobretudo, pelo desenho.

Neste quadro só a água e a paisagem do fundo evocam ainda sua recente passagem pelo Impressionismo. Agora, as formas que antes se contentavam com sugerir de maneira indefinida, através de vibrações de cores e fusão dos contornos, se encerram em linhas perfeitamente nítidas conseguida por meio de um desenho severo e ordenado. Estas transformações também se observam na palheta do pintor, que reduzirá suas belas cores a umas gamas de terras e azuis de aspecto frio e um pouco pesado.

Renoir executou esta tela pouco depois de sua primeira viagem à Itália, viagem que supôs para ele uma espécie de revelação em sua própria concepção artística sobre a pintura. Ele se sentiu atraído por pintores como Rafael.

Neste momento, ele chega à conclusão de que, para pintar, faz falta algo mais do que a contemplação sincera da natureza e que é nos museus e nos ensinamentos dos grandes mestres clássicos onde mais se pode aprender.

Um exemplo claro desta inclinação nova pelos mestres clássicos está nas fontes de inspiração que ele tomou para esta obra. Inspirou-se em um baixo-relevo de Girardon dos jardins de Versalhes e, ao mesmo tempo, no quadro de Baoucher, Diana no Banho, e em O Triunfo de Galateia, de Rafael.

As Grandes Banhistas, 1884-1887, óleo sobre tela, 15 x 170 cm, Pierre-Auguste Renoir, Museu de Arte da Filadélfia, Estados Unidos.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Renoir, experimente desenvolver sua releitura sobre o tema, inspire-se nas características do Impressionismo, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando  #historiadasartestalento

COMO CITAR:

Para citar esta página do História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o texto abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. As Grandes Banhistas, Renoir. História das Artes, 2021. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/grandes-banhistas-renoir/>. Acesso em 11 May 2021.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: