O Enterro do Conde de Orgaz, El Greco

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > O Enterro do Conde de Orgaz, El Greco
O Enterro do Conde de Orgaz, El Greco

El Greco é um artista enigmático, sobre quem sabemos muito pouco. Esta curiosa obra-prima é um enorme quadro, pintado em 1586 para celebrar o enterro do conde de Orgaz, que havia morrido 250 anos antes. Conta-se que quando o conde foi para seu repouso eterno, ocorreu um milagre: dois santos desceram do céu e colocaram seu corpo no túmulo.

Este quadro foi encomendado pela Igreja de São tomé, em Toledo, que na época era capital da Espanha e sede da Igreja católica. Está até hoje no mesmo local, numa capela lateral acima do túmulo do conde. O conde de Orgaz financiou a reconstrução da Igreja de São Tomé e morreu em 1323.

O estilo em voga na época era o clássico de Michelangelo, Rafael e Ticiano. El Greco transformou essas fortes influências em um estilo próprio, intensamente espiritual, com suas formas alongadas, movimentos arrebatados e cores brilhantes, às vezes sobrenaturais. Nesse sentido, pode-se considerar que a obra de El Greco seja a síntese do Maneirismo que estava em seu apogeu.

Durante todo o século 16, a Espanha foi arrebatada pelo intenso zelo missionário da Contra-Reforma. A Igreja católica tentava impor novamente a sua autoridade abalada pelos reformadores protestantes no norte da Europa.

A Inquisição, controlada pela monarquia espanhola, torturou e queimou vivas numerosas pessoas suspeitas de romper com a fé na Igreja católica. El Greco era um católico ardoroso, embora sua crença fosse de natureza intensa e pessoal, e não seguisse as demonstrações externas e convencionais aprovadas pela Contra-Reforma.

O quadro está divido em duas partes. Embaixo está retratada a cena terrena e em cima, a espiritual.

Na cena terrestre, destacamos, da esquerda para direita, o monge que repete a pose do padre que lê a Bíblia do lado oposto. No pelotão de figuras vestidas de preto, já se sugeriu que a figura que fita o observador é o próprio artista, que se incluiu entre os presentes.

A figura que sustenta os pés do conde é Santo Estevão (morto em 35 d.C.). Ele é representado conforme a tradição, com traços suaves e juvenis, e veste um manto de diácono (já que ele foi um dos primeiros diáconos nomeados pelos apóstolos). Santo Estevão foi o primeiro mártir cristão. Em seu glorioso manto dourado há um painel mostrando uma detalhada imagem de seu mantírio. Ele morreu apedrejado por uma multidão irada.

O menino do primeiro plano é a única pessoa que olha para fora do quadro, além do presumível retrato do próprio El Greco. Ele é o filho do artista, Jorge. Sua data de nascimento, 1578, aparece no lenço que sai de seu bolso.

Santo Agostinho (354-430 d.C.) usa finos mantos decorados com imagens de santos. Podemos reconhecê-lo por sua mita de bispo; tinha um intenso fervor religioso e foi grande teólogo dos primórdios da Igreja.

Acredita-se que o padre com a sobrepeliz diáfana seja André Nuñez, o pároco de São Tomé, que encomendou o quadro. Ele ganhou um processo contra os descendentes do conde de Orgaz, que se recusaram a legar dinheiro à Igreja. Esta obra foi encomendada como uma comemoração da sua vitória legal.

Toledo era célebre por seu fino artesanato em armas e armaduras, e o Conde de Orgaz usa magnífica armadura do tipo produzido na época de El Greco. O detalhado realismo das figuras terrenas contrasta com as formas distorcidas e as cores ácidas das figuras celestiais.

O crucifixo conecta os fatos que ocorrem embaixo, na terra, com as cenas do enlevo e êxtase do céu. Ele nos lembra da Ressurreição e Cristo, que possibilita a salvação do falecido conde.

Um anjo de cabelos louros leva a alma do conde, representada como a figura fantasmagórica de uma criança. A Virgem Maria e São João rogam por ele a Cristo, sentado como Juiz.

Na parte de cima à esquerda, São Pedro, numa túnica amarela, segura as chaves do Reino dos Céus, cujos portões abriu para receber a alma do caridoso conde Orgaz.

O Enterro do Conde de Orgaz, 1586, óleo obre tela, 460 x 360 cm, Doménikos Theotokópoulos conhecido por El Greco, Igreja de São Tomé, Toledo, Espanha.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de El Greco, experimente desenvolver sua releitura sobre o tema ou criar uma composição contendo imagens reais e sobrenaturais, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *