O que a Água me Deu, Frida Kahlo

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > O que a Água me Deu, Frida Kahlo
O que a Água me Deu, Frida Kahlo

As alucinações e fantasias da artista permeiam profusamente este quadro. Ele mostra um devaneio na banheira, em que as imagens de morte, dor e sexualidade flutuam na superfície da água.

Como muitos outros de seus quadros, este é uma espécie de autorretrato, com as pernas de Frida Kahlo representadas do ponto de vista da banhista, mostrando seus pés deformados com o dedão do pé direito rachado.

As lesões resultantes de um sério acidente de trânsito, quando ela tinha 15 anos, destruíram suas esperanças de se tornar médica.

Esta pintura, considerada sua obra mais surrealista, também é a mais complexa, com uma multidão de detalhes minúsculos e irracionalmente dispostos.

Numa certa época amante de Leon Trotsky, ela teve um casamento turbulento com o pintor Diego Rivera. Kahlo tornou-se quase um figura de culto, em parte porque, a partir de meados da década de 1940, acamada por causa de sérios problemas de coluna, continuou pintando, muitas vezes com dores terríveis, até sua morte.

O que a água me deu, 1938, óleo sobre tela, 96,5 x 76,2 cm, Frida Kahlo, Coleção particular.

Agora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Frida Kahlo, experimente fazer uma releitura dela ou criar uma cena que represente seu autorretrato, que conte algo sobre sua história, usando o material colorido que mais gostar.

Fotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco através das redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *