Obeliscos em Roma

Obeliscos em Roma
   

Os obeliscos eram construídos pelos antigos egípcios como uma representação de sua adoração à Rá, deus do sol. No período do Antigo Egito, as construções também representavam proteção e defesa para o local.

O obelisco era construído com uma única pedra – monólitos. Esculpida até atingir o formato correto.

Os obeliscos são quadrangulares e possui a sua parte superior mais fina, formando uma pirâmide em sua ponta.

A cidade de Roma, na Itália, abriga a maior quantidade de obeliscos no mundo. Há oito obeliscos em Roma vindos do Egito Antigo e mais cinco da oriundos da Roma Antiga, juntamente com diversos outros obeliscos modernos.

Até 2005, a cidade também tinha um obelisco do antigo Reino de Axum, removido da Etiópia depois da invasão italiana e devolvido em 2005.

Os Romanos, na Antiguidade, utilizavam navios pesados especiais chamados navios obelisco para transportar os monumentos pelo Nilo até Alexandria e, de lá, através do Mediterrâneo até Óstia Antiga, de onde eles eram depois transportados pelo Tibre até a capital imperial.

Uma vez no local desejado, grandes guindastes eram empregados para erguer os grandes monólitos.

Os grandes obeliscos que fazem parte da paisagem de Roma:

1) Na Praça de São Pedro no Vaticano, um obelisco egípcio da época de Nencoreo (XII dinastia, 1991-1786 a.C.).
É feito de granito vermelho, liso sem registro hieróglifo egípcio.
Mede 25,5 metros de altura.
Sua base possui quatro leões de bronze e contando até a cruz, sua altura é de 40 m, sendo o segundo maior obelisco de Roma.
Reza a lenda que a cruz em cima do obelisco guarda um dos pedaços originais da cruz de Jesus Cristo, colocadas ali pelo Papa Sixto V.
Este é o único obelisco antigo de Roma que nunca caiu.

Obelisco na Praça São Pedro – Vaticano

2) No centro da Praça do Povo, tem um obelisco egípcio da época de Ramsés II e Merneptá (século XIII a.C.).
Mede 24 metros de altura e, contando com a base e a cruz no topo, sua altura chega a 36,50 metros.
Foi levado para Roma em 10 a.C. e colocado no Circo Máximo, junto ao Obelisco de Montecitório, e três séculos depois, ao Obelisco Laterano.
Perdeu-se durante a queda do Império Romano e em 1587 este obelisco foi descoberto quebrado em três pedaços (na mesma ocasião, encontraram o Obelisco Laterano). Foi restaurado em 1589, por ordem do papa Sisto V.
Em 1823, Giuseppe Valadier decorou-o com uma base com quatro bacias circulares e estátuas de leões imitando o estilo egípcio.

Obelisco na Praça do Povo

3) ) Obelisco do Pincio por causa de sua localização (perto do mirante do Pincio, ao lado da Praça do Povo), é um dos quatro obeliscos antigos romanos da época do imperador Adriano (118-138 d.C) feito em homenagem à Antinoo, o garoto grego que Adriano amava.
Feito em granito rosa, Adriano pediu para que cortassem a pedra no Egito e que levassem para Roma o obelisco pronto, apenas para inserir em frente ao monumento criado em homenagem ao adolescente (o lugar original não é preciso, apesar de algumas publicações informam que havia sido colocado na antiga via Labicana).
Mede apenas 9,24 metros de altura, somando com sua base e com a estrela no topo, este obelisco chega a 12,26 metros.
No século III d.C, este obelisco foi transportado para o Circo Variano e encontrado partido em três pedaços em 1589 perto da atual Porta Maggiore.
Depois de sua restauração, foi colocado no jardim do Palazzo Barberini e depois no Jardim da Pinha no Vaticano, porém sem ser realmente erguido com uma base.
Apenas em 1822 Giuseppe Valadier criou para este obelisco uma base e o ergueu nos jardins do Pincio.

Obelisco nos Jardins de Pincio

4) Na Praça Esquilino, em frente à parte traseira da Basílica Santa Maria Maggiore.
É um obelisco romano, com data incerta, mas provavelmente da época de Domiziano (51-96 d.C), uma imitação dos obeliscos antigos egípcios e colocado originalmente ao lado do obelisco do Quirinale, em frente à entrada do Mausoléu de Augusto.
Mede 15 metros de altura e com sua base e com a cruz, chega a ter quase 26 metros.

Obelisco em frente a Basílica Santa Maria Maior

5) O maior obelisco antigo de Roma e o maior obelisco egípcio antigo ainda em pé no mundo.
Se encontra na Praça San Giovanni in Laterano, na frente da igreja homônima (em português, São João de Latrão) e do Palazzo Lateranense.
É um obelisco egípcio da época dos faraós Tutemés III e Tutemés IV (XV secolo a.C.). Depois de décadas em Alexandria, foi levado para Roma em 357 para adornar o Circo Máximo junto ao obelisco Flaminio.
Se perdeu durante a Idade Média e foi reencontrado em três pedaços em 1587.
Hoje, este obelisco mede 32 metros, mas durante sua restauração, ele ficou 4 metros mais baixo que o original.
Com a base e a cruz, atinge a altura de 45,70 metros.

Obelisco em frente a Igreja São João Laterano

6) O obelisco Matteiano está presente na Villa Celimontana, um dos parques públicos de Roma.
Origem de seu nome se dá à família Mattei, uma das mais antigas famílias romanas que recebeu este obelisco em doação.
É um obelisco egípcio pequeno, mede menos de 3 metros de altura (metade do tamanho original), mas com a base, o globo e um pedaço não original, atinge o tamanho de 12 metros.
Nele está esculpido o nome de Ramses II (1279-1213 a.C.).

Obelisco nos Jardins Matteiano

7) Esse obelisco se encontra na Via delle Terme di Diocleziano, em frente à Basílica Santa Maria degli Angeli e dei Martiri.
É um obelisco egípcio da época de Ramses II (1279-1213 a.C.) e mede pouco mais de 6 metros de altura.
Com a base e a estrela no topo chega a quase 17 metros.
Este obelisco também é um monumento dedicado aos 500 soldados italianos que faleceram na Batalha de Dogali (Monumento aos Caídos de Dogali), próximo à Eritrea, em uma tentativa italiana de colonização na África.
A base há quatro lapides, uma em cada lado, com os nomes dos soldados falecidos.

Obelisco em homenagem Aos Caídos de Dogali

8) Este obelisco se encontra em frente à igreja de Trinità dei Monti, no alto da escadaria da Praça de Espanha.
É um dos quatro obeliscos antigos romanos e é uma imitação romana dos obeliscos egípcios da época de Ramses II (1279-1213 a.C.).
Sua data é incerta, mas se crê que é da época do imperador Aureliano.
Mede quase 14 metros de altura, mas com a base chega à pouco mais de 30 metros.
Antigamente este obelisco decorava os Jardins Salustianos (Horti Sallustiani ou Giardini di Sallustio) daí seu nome e foi descoberto em 1932 entre as ruas Sicilia e Sardegna.

Obelisco em frente a Igreja de Trinitá dei Monti

9) Este é um dos obeliscos egípcios, mas sua data é incerta, mas como não há inscrições, presume-se que não seja tão antigo quanto os outros. Foi feito em granito vermelho e transportado à Roma no 1° séc. d.C., provavelmente na era de Domiziano.
Hoje se encontra em frente ao Palazzo Quirinale, mas num passado, estava em frente ao Mausoléu de Augusto junto ao obelisco do Esquilino.
Mede quase 15 metros de altura, mas com sua base atinge 29 metros.

Obelisco em frente ao Palácio Quirinale

10) O Obelisco Solar, conhecido também como Obelisco de Montecitorio (por causa de sua localização) é um dos 9 obeliscos egípcios de Roma, da época do faraó Psamético II (594-589 a.C.).
Feito em granito vermelho, mede quase 22 metros de altura e com a base e o globo no topo, chega a quase 34 metros.
Se encontra em frente ao Palácio Montecitorio, sede da Câmara dos Deputados, e foi levado para Roma junto com o Obelisco Flamínio em 10 a.C. por ordem do imperador Augusto.
Era utilizado como gnômon do Solário de Augusto.
O obelisco servia de meridiano, com indicações de horas, meses, estações do ano e signos do zodíaco.
Além de sua função como relógio solar, o obelisco estava orientado de forma a lançar sua sombra no Altar da Paz (Ara Pacis) em 23 de setembro, o aniversário de Augusto, mesmo dia do equinócio de outono.

Obelisco Solar

11) Outro obelisco egípcio, desta vez da época do faraó Aprie (VI secolo a.C.). Está localizado em frente à Basilica di Santa Maria em Minerva, perto do Panteão.
Não é muito alto, mede pouco mais de 5 metros de altura e em cima de sua base foi colocado uma escultura bem curiosa de Bernini: um elefante. A soma disso faz com que o obelisco tenha 12.69 metros.

Obelisco de Minerva

12) Perto do Obelisco da Minerva encontra-se outro obelisco, em frente ao Panteão Por causa de sua localização, se chama Obelisco do Panteão ou da Redonda (della Rotonda), porém também é conhecido como Obelisco Macuteo, pois foi encontrado em 1373 na Praça de San Macuto.
É um obelisco egípcio, da época do faraó Ramsés II (1279-1213 a.C.), com apenas 6 metros de altura.
Sua base foi colocada em cima da fonte já existente, feita por Giacomo Della Porta e com a base e a cruz, atinge a altura de 14,52 metros.

Obelisco da Praça do Panteão

13) Um obelisco antigo romano que foi feito na época do imperador Domiciano (51-96 d.C), imitando os antigos obeliscos gregos.
Ele se encontra na Praça Navona, uma das praças mais lindas de Roma, sobre a fonte dos Quatro Rios de Bernini.
Chamado de Obelisco Agonal (Obelisco Agonale) por causa da origem do nome da Praça Navona (antigamente “In Agone”), tem uma altura de 16,38 metros e com a fonte, a base oca e a pomba no topo, supera os 30 metros.

Obelisco Agonal da Praça Navona

Para efeito de comparação das alturas dos respectivos Obeliscos na cidade de Roma:

COMO CITAR:

Para citar esta página do História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o texto abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. Obeliscos em Roma. História das Artes, 2021. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/obeliscos-roma/>. Acesso em 12 May 2021.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: