Porta de Ishtar

Porta de Ishtar

A Porta de Ishtar foi a oitava porta do lado norte da muralha da cidade da Babilônia, construída aproximadamente em 575 a.C., por ordem do rei Nabucodonosor II, que reinou entre 604 e 562 a.C., no auge do Império Neobabilônico. Ele ordenou a construção da porta e dedicou-a à deusa babilônica Ishtar. Escavada entre os anos de 1902 e 1914, por Robert Koldewey, a porta e a Via  Processional foram reconstruídas com seus tijolos originais, em 1930, no Museu Pergamon em Berlim.

A Porta de Ishtar tem 14 metros de altura e 30 metros de largura, decorada em alto relevo com os animais sagrados da Babilônia como o Leão de Ishtar, o Touro de Adad e o Dragão de Marduk. Através da Porta e da Via Processional desfilavam as estátuas das divindades durante as festividades de Ano Novo.

Os tijolos da Porta estão cobertos por um esmalte azul destinado a representar o lápis-lazúli, uma pedra semipreciosa azul-escura que era reverenciada na antiguidade devido à sua vibração.

Na frente da porta tem um desenho esculpido em baixo relevo com um padrão repetido de imagens de dois dos principais deuses do panteão babilônico. Marduk , a divindade nacional e deus principal, é retratado como um dragão com uma cabeça e cauda semelhantes a uma cobra, um corpo escamado de um leão e garras poderosas nos pés traseiros. Marduk era visto como o divino defensor do bem contra o mal e os babilônios frequentemente buscavam sua proteção.

O segundo deus mostrado no padrão de relevos na Porta de Ishtar é Adad, cujo animal sagrado era o touro. Adad tinha poder sobre tempestades destrutivas e chuva benéfica. O desenho da Porta de Ishtar também inclui bordas lineares e padrões de rosetas, muitas vezes vistas como símbolos de fertilidade.

Os tijolos da Porta de Ishtar eram feitos de argila finamente texturizada, comprimida em formas de madeira. Cada um dos relevos dos animais também eram feitos de tijolos formados por prensagem de argila em moldes reutilizáveis. As emendas entre os tijolos foram cuidadosamente planejadas para não ocorrerem nos olhos dos animais ou em quaisquer outros lugares esteticamente inaceitáveis.

A Porta de Ishtar é apenas uma pequena parte da planta da antiga Babilônia que também incluía o palácio, templos, uma fortaleza interior, paredes, jardins, outras portas e a Via Processional. A cidade luxuosa foi decorada com mais de 15 milhões de tijolos cozidos e esmaltados, segundo estimativas.

Inscrição de Nabucodonosor II

A inscrição cuneiforme da Porta de Ishtar, em tijolos esmaltados de azul e branco, foi uma dedicação de Nabucodonosor para explicar o propósito da porta. Ela possui 15 metros de altura por 10 metros de largura e inclui 60 linhas de escrita.

“Nabucodonosor, rei da Babilônia, o príncipe piedoso nomeado pela vontade de Marduk, o príncipe sacerdotal mais elevado, amado de Nabu, de deliberação prudente, que aprendeu a abraçar a sabedoria, que entendeu o seu ser piedoso (Marduk e Nabu) e presta reverência a Sua Majestade, incansável governador, que sempre tem em mente o cuidado do culto de Eságila e Ezida e está constantemente preocupado com o bem estar da Babilônia e Borsippa, o sábio, o humilde, o zelador de Esagila e Ezida, o primogênito filho de Nabopolassar, o rei da Babilônia, sou eu.”

As duas entradas do portão das muralhas da cidade, Imgur-Ellil e Nemetti-Ellil, após o enchimento da rua da Babilônia, tinham se tornado cada vez mais baixas. Portanto, Eu abaixei esses portões e coloquei suas fundações no lençol freático com asfalto e tijolos e os fiz de tijolos com pedras azuis sobre as quais maravilhosos touros e dragões eram retratados. Cobri os telhados colocando cedros majestosos sobre eles. Fixei portas de madeira de cedro adornadas com bronze em todas as aberturas do portão. Eu coloquei touros selvagens e dragões ferozes nos portões e assim os adornei com esplendor luxuoso para que a Humanidade pudesse contemplá-los com admiração.

Deixei o templo de Esiskursiskur, a maior casa de festivais de Marduk, o senhor dos deuses, um lugar de alegria e júbilo para as divindades maiores e menores, ser construído firme como uma montanha no recinto da Babilônia de asfalto e tijolos de fogo.” 

Museu de Pérgamo (Pergamon Museum). Ilha dos Museus – Berlim – Alemanha. Aberto de terça a domingo, das 10h às 18h. Quinta-feira, das 10h às 20h.

Fique atento! O horário pode sofrer modificação. Consulte o site oficial da instituição.


Partes do Portão de Ishtar e do Caminho Processional também estão em vários outros museus ao redor do mundo, como Museu de Arqueologia de Istambul, Gliptoteca Ny Carlsberg em Copenhague, Instituto de Artes de Detroit, Museu Röhsska em Gotemburgo, na Suécia, Museu do Louvre, Museu Estadual de Arte Egípcia, em Munique, Museu Kunsthistorisches de Viena,  Museu Real de Ontário, em Toronto, MoMA em Nova York, Instituto Oriental em Chicago, Museu da Escola de Design de Rhode Island, Museu de Belas Artes de Boston e a Galeria de Arte da Universidade de Yale em Connecticut.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *