Anselm Kiefer

Anselm Kiefer

Nasceu na Bavaria (Alemanha) em 1945 e foi criado dentro da religião católica, veio ao mundo poucos meses antes da última batalha na Europa, a qual terminou a Segunda Guerra Mundial, cresceu testemunhando as consequências da guerra moderna e a divisão de sua terra natal.

Ele também testemunhou a reconstrução de uma nação dividida e sua luta pela renovação.

Kiefer dedicou-se a estudar como os elementos da mitologia e da história alemã e seu impacto sobre a ascensão do fascismo estão interligados.

Ele enfrentou essas questões que violam os tabus estéticos e ressuscitando ícones sublimados.

Em um de seus primeiros projetos, a série Ocupações 1969, Kiefer fotografou a si mesmo fazendo a saudação nazista em vários locais durante uma viagem para a Suíça, França e Itália.

As imensas pinturas posteriores, paisagens arquitetônicas e de interiores, que se aplicam areia e palha usada para evocar a herança política e literária da Alemanha; são referências as lendas Nibelungo e Richard Wagner, a arquitetura de Albert Speer e Adolf Hitler.

Mudou para o sul da França (Barjac), nos inícios dos anos 1990, e transformou uma planta industrial em um ateliê de 35 hectares, apelidado de La Ribaute. Criou nele um extensivo sistema de prédios de vidro, arquivos, instalações, depósitos para materiais e pinturas, câmaras e corredores subterrâneos.

Desde a década de 1980 Kiefer expandiu a sua pintura para abordar temas mais universais da civilização, cultura e espiritualidade, inspirados entre outros na Cabala, alquimia e da mitologia da antiguidade.

Girassóis ( 1996) pertence a uma série de imagens que Kiefer realizou com formas fossilizadas de girassóis escuras com a imagem de um homem nu.

Embora a figura tem uma forte semelhança com o artista, é geralmente identificado como Robert Fludd (1574-1637), filósofo inglês do século XVII. Ocultista que acreditava que todas as plantas do mundo teve sua estrela equivalente no firmamento, e que havia uma conexão entre o mundo microscópico da terra e do mundo macrocósmico do céu.

Usa uma variedade de técnicas e materiais — fotografias, óleo, têmpera, palha, carvão, aniagem, chumbo, papelão, verniz e areia — para sugerir reminiscências da grandeza monumental da arquitetura oficial, destruída por incêndios na última guerra.

Keifer trabalhando em seu ateliê.
Keifer trabalhando em seu ateliê.

Kiefer foi o primeiro artista alemão do pós-guerra a expor no Museu de Israel em Jerusalém.

Usou a liberdade para sugerir forma e conteúdo que começou com a tradição do abstracionismo. Usou uma mistura de técnicas tradicionais e de vanguarda, aceitas na arte contemporânea. É um virtuose e seu tema está firmemente ligado à condição humana.

Seus trabalhos são caracterizados por um estilo maçante, quase depressivo e destrutivo, e muitas vezes feitos em grandes formatos. Na maioria deles, o uso da fotografia como suporte prevalece, e terra e outros materiais da natureza são geralmente incorporados. Também é característico o uso de escritos, personagens lendários ou lugares históricos em quase todas as suas pinturas.

Tudo é codificado através daquilo que busca Kiefer para representar o passado; algo que geralmente está relacionado com um estilo chamado “Novo Simbolismo”.

Em 1990 foi premiado com o Wolf Prize. Nesse mesmo ano, a Japan Art Association o premiou com o Praemium Imperiale, por suas realizações em vida. Eis a declaração:

“Um complexo engajamento crítico com a história percorre o trabalho de Anselm Kiefer. Suas pinturas, como também as esculturas de Georg Baselitz criaram um alvoroço na Bienal de Veneza de 1980: os visitantes tiveram que decidir se os aparentes temas nazistas pretendiam ser irônicos ou se tinham como intenção transmitir as atuais ideias fascistas. Kiefer trabalhava com a convicção de que a arte podia curar uma nação traumatizada e um mundo dividido. Criou pinturas épicas em grandes telas que mobilizaram a história da cultura alemã com a ajuda de descrições de figuras como Richard Wagner ou Goethe, continuando assim a tradição história da pintura como um meio para guiar o mundo. Somente poucos artistas contemporâneos tiveram tal senso de dever da arte declarado, para reunir o passado e as questões éticas do presente, e estão em posição de expressar a possibilidade de absolvição da culpa através do esforço humano.”

De 1995 a 2001, Kiefer iniciou um ciclo de grande pinturas sobre o cosmo.

 

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *