Auguste Rodin

Auguste Rodin

François-Auguste-René Rodin nasceu em Paris, 12 de novembro de 1840, foi um escultor francês

Crescendo no seio de uma família humilde, logo cedo revelou seu pendor artístico esculpindo formas na massa que sua mãe manejava para fabricar o pão.

Aos 13 anos ele ingressou no curso de desenho e modelagem em uma academia.

Pouco tempo depois ele conseguia se matricular na Escola de Artes Decorativas, sendo orientado por Boisbaudran e Barye.

Ao tentar entrar na Academia de Belas Artes, quando completou 18 anos, foi rejeitado três vezes. A partir deste momento Rodin decidiu se empregar como moldador, elaborando objetos decorativos.

Ele também atuaria como ornamentista, prático e cinzelador.

Apesar de ser geralmente considerado o progenitor da escultura moderna, ele não se propôs a rebelar-se contra o passado.

Foi educado tradicionalmente, teve o artesanato como abordagem ao seu trabalho, e desejava o reconhecimento acadêmico, embora ele nunca tenha sido aceito na principal escola de arte de Paris.

Esculturalmente, Rodin possuía uma capacidade única em modelar uma superfície complexa, turbulenta, profundamente embolsa em argila.

Muitas de suas esculturas mais notáveis foram duramente criticadas durante sua vida.

Eles entraram em confronto com a tradição da escultura da figura predominante, onde as obras eram decorativas, estereotipadas, ou altamente temáticas.

Seu trabalho mais original partiu de temas tradicionais da mitologia e da alegoria, modelado o corpo humano com realismo, e celebrando o caráter individual e fisicalidade.

Rodin era sensível à controvérsias em torno de seu trabalho, mas se recusou a mudar seu estilo. Sucessivas obras trouxeram aumentos de favores do governo e da comunidade artística.

Quando tomou a decisão de expor uma obra sua em um salão oficial, o Salon de Paris, ela foi recusada. A alegação era que seu trabalho, O Homem de Nariz Quebrado, de 1864, estava incompleto.

Neste mesmo ano ele se casou com Rose Beuret, modelo viva de suas primeiras criações, com quem viveu por toda sua existência.

Um ano depois ele travou contato com Meunier, empreendendo uma viagem fundamental à Itália, em 1875, que refletiria significativamente em sua obra.

Aí ele conheceu o trabalho de Michelangelo, por quem se apaixonou desde o primeiro momento.

Influenciado por sua obra, ele compôs A Idade do Bronze, que causou controvérsias por seu grau de aperfeiçoamento. Muitos o criticavam, alegando que ele teria realizado esta escultura a partir de um modelo vivo.

Em 1900, ele era um artista de renome mundial. Clientes particulares ricos procuraram seus trabalhos após sua mostra na Exposição Universal, e ele fez companhia com uma variedade de intelectuais e artistas de alto nível.

Ele consolidou sua carreira com o célebre São João Batista Pregando, de 1878.

A partir deste momento ele passou a receber propostas de trabalho, especialmente a porta de bronze que deveria ser concebida por ele para o Museu de Artes Decorativas de Paris, que então estava sendo construído. Com sua morte, ele deixou este trabalho incompleto.

Inicialmente ela seria uma reprodução da Porta do Paraíso, criada por Lorenzo Ghiberti no século XV, mas passaria a ser denominada Porta do Inferno, pois Rodin tinha a intenção de tirar sua temática da obra de Dante, A Divina Comédia.

Ao conhecer os trabalhos de William Blake e dos artistas pré-rafaelitas em cima da mesma produção literária, o escultor mudou seus objetivos, optando por expressar formalmente a torrente perturbadora das emoções humanas e a iminência da morte.

Várias imagens esculpidas para compor este painel tornaram-se famosas como peças autônomas, entre elas O pensador, de 1880; O beijo, de 1886; e O filho pródigo, de 1889.

Alguns de seus trabalhos criaram uma atmosfera polêmica, tais como o busto de Victor Hugo, rejeitado por apresentar seu torso desnudo, reelaborado assim várias vezes por Rodin; e um grandioso Balzac, concebido já no interior de uma visão moderna, o qual posteriormente, em 1939, seria inserido na intersecção entre os boulevards Raspail e Montparnasse, em Paris.

Em 1885 o escultor deu início a uma relação amorosa com sua pupila Camille Claudel, o mais atormentado de seus relacionamentos afetivos, o qual teve um fim trágico.

A partir de 1908, Rodin passou a residir no Hotel Biron, convertido em Museu Rodin depois de seu falecimento.

Faleceu na cidade de Meudon, no dia 17 de novembro de 1917. Ele morreu consagrado artisticamente em toda a Europa.

” O espírito esboça, mas o coração modela.” Rodin

 

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *