Dionísio Del Santo

História das Artes > Prazer em conhecer > Dionísio Del Santo
Dionísio Del Santo

Pintor, desenhista, gravador e publicitário,

Nasceu em Colatina – Espírito Santo em 31 de janeiro de 1925.

Estuda no Seminário São Francisco de Assis, em Santa Teresa, Espírito Santo, entre 1932 e 1939.

No começo da década de 1940, realiza seus primeiros desenhos.

Transfere-se para o Rio de Janeiro em 1946, onde começa a pintar.

Frequenta aulas de modelo-vivo e de teoria das cores na Associação Brasileira de Desenho – ABD.

Atua em publicidade e artes gráficas.

Em 1952, passa a trabalhar com xilogravura e serigrafia, e nesta técnica possui expressiva produção.

Do fim dos anos 1950 até a metade da década seguinte, suas obras se aproximam dos princípios do movimento concreto.

Realiza xilogravuras figurativas, que remetem à origem rural do artista.

Começa a apresentar mais simplificação formal e o interesse pela geometria em suas pinturas.

São dessa fase telas em vermelho, branco e negro, ou apenas em branco, nas quais constrói o espaço pictórico com poucas linhas.

No entanto, mantém-se afastado do debate entre concretos e neoconcretos.

Em serigrafias do fim da década de 1950 e começo da seguinte, cria formas geométricas por meio de linhas que percorrem toda a superfície gravada, explorando a contraposição entre cheio e vazio ou positivo e negativo.

Dessas composições puramente lineares, como nota o crítico de arte Reynaldo Roels Jr., começam a aparecer versões diferentes, em que se altera o tratamento das linhas ou o jogo cromático.

Entre 1964 e 1966, produz trabalhos a guache, nos quais associa geometria e figura.

Realiza sua primeira exposição individual, em 1965, na Galeria Relevo, no Rio de Janeiro.

Desde a metade da década de 1960, dedica-se à arte abstrata, realizando principalmente obras em serigrafia.

Em 1967, recebe o prêmio aquisição na 9ª Bienal Internacional de São Paulo. Na década de 1970, destaca-se em sua produção pictórica a série Cordéis, na qual se nota a influência da arte cinética.

Esses trabalhos, que se encontram entre o relevo e a pintura, representam um ponto importante de suas pesquisas ligadas à arte cinética, revelando afinidade com a produção dos artistas venezuelanos Jesús Rafael Soto e Carlos Cruz-Diez.

Em 1975, recebe o Prêmio de Melhor Exposição de Gravura do Ano, da Associação Paulista dos Críticos de Arte – APCA.

Realiza mostras retrospectivas no Paço Imperial, no Rio de Janeiro e no Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM/SP, entre 1989 e 1990, e no Museu de Arte do Espírito Santo – Maes, em 1998.

Mais de 70 obras do artista, entre serigrafias e xilogravuras, integram o acervo do Maes.

A obra de Dionísio Del Santo situa-se entre a geometria e a figuração.

Sua atividade no campo da serigrafia é tão especial, que merece um destaque particular em sua trajetória.

O artista explora a técnica com grande refinamento e utiliza-a também como um campo experimental para suas produções.

Ministra diversos cursos em que incentiva o uso da serigrafia, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM/RJ e na Escola de Artes Visuais do Parque Lage – EAV/Parque Lage.

Na década de 1990, Del Santo começa a trabalhar com formas mais complexas e uso intenso da cor.

Del Santo faleceu em 20 de janeiro de 1999, em Vitória – Espírito Santo.

“Dionísio Del Santo (…) aproximou-se do Concretismo nos anos 60. Quase à maneira de um puzzle, ele arma mundos fantasiosos valendo-se de formas geométricas distribuídas com precisão no espaço. Fundem-se a elas equilibradas dosagens de cor contrastante. Entretanto foi sobretudo através de um trabalho exaustivo na serigrafia, explorada em suas intrínsecas disponibilidades, que Del Santo tem alcançado repercussão para a sua obra”.
Walter Zanini – (org. História geral da arte no Brasil. Apresentação de Walther Moreira Salles. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, Fundação Djalma Guimarães, 1983.)

 

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *