Georg Grimm

Georg Grimm
   

Nasceu em Immenstadt im Allgäu (Alemanha) em 22 de abril de 1846 e faleceu em Palermo, em 24 de dezembro de 1887  foi pintor, professor, desenhista e decorador alemão que viveu e trabalhou alguns anos no Brasil.

Johann Georg Grimm, filho de carpinteiro, na juventude trabalhou como pastor de cabras e exerceu profissões ligadas ao artesanato, entre elas pintura de paredes de residências. Entre 1868 a 1870, ele frequentou a Akademie der Bildenden Künste, em português Academia de Artes Visuais, em Munique.

Segundo o historiador Carlos Maciel Levy, é possível que tenha sido aluno de dois importantes mestres de Munique Karl von Piloty (1826-1886) e Franz Adam (1815-1886).

Em 1870, participou como militar da Guerra Franco-Prussiana, ocasião em que se tornou amigo do combatente e pintor Thomas Driendl (1849-1916), que em 1881 também se transferiu para o Rio de Janeiro.

Após uma viagem pela Itália, Grécia, Turquia, Palestina e norte da África, em 1878, Grimm veio para o Brasil.

Ao chegar, trabalhou com o decorador alemão Friedrich Anton Steckel pintando paredes de residências.

Em 1882, a Sociedade Propagadora das Belas Artes organizou a primeira exposição pública fora da Academia Imperial de Belas Artes – Aiba, realizada no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. Grimm participou com mais de 100 trabalhos, a maioria deles pintados fora do Brasil, que representavam cerca de um quarto de todas as obras expostas. Mas, essas pinturas foram perdidas e pouquíssimas são hoje conhecidas.

Segundo Gonzaga Duque (1863-1911), crítico contemporâneo ao pintor: “Em duas, três ou cinco horas fazia-se, em frente de suas telas, uma viagem ao redor do mundo. A natureza dos países em que Jorge Grimm esteve nos aparecia irradiante de luz e de cor, diante dos nossos olhos vadios, acostumados às tintas pálidas, anêmicas, miseravelmente doentias da maior parte de nossos paisagistas”.

Viajava frequentemente para o interior do Rio de Janeiro e Minas Gerais, e produzia estudos de paisagens e fazendas de café com intuitos documentais. Sua pintura apresenta forte preocupação com a luminosidade e a observação da natureza.

Embora as telas de Grimm representem enorme quantidade de detalhes, a ênfase na descrição não torna sua pintura fria e sem vida.

Com sucesso na exposição, recebeu convite para lecionar na Aiba, como professor interino da cadeira de paisagem, flores e animais, cargo que ocupou de 1882 até 1884.

Ao declarar que suas aulas seriam ao ar livre e que os alunos deveriam pintar paisagens diante da natureza, Grimm rompe com o ensino acadêmico.

Pelas crescentes divergências com a diretoria e outros professores, principalmente por causa de sua descrença na metodologia da instituição, sai da Aiba.

Muda-se para Niterói e a partir de então reúne um grupo de artistas, conhecido como Grupo Grimm, com quem pinta ao ar livre.

Do grupo participam alguns alunos da Aiba, entre eles Castagneto (1851-1900), Caron (1862-1892), Garcia y Vasquez (c. 1859-1912), Francisco Ribeiro (c.1855-c.1900), Antônio Parreiras (1860-1937), França Júnior (1838-1890), além do amigo e compatriota Thomas Driendl, que eventualmente o substitui.

O trabalho de Grimm como professor revoluciona o ensino da pintura de paisagem, mas suas telas, apesar de apresentarem uma profunda compreensão do tema, são relativamente convencionais – como vemos na maneira detalhada e fiel em Vista do Rio de Janeiro Tomada da Rua do Senador Cassiano em Santa Teresa (1883) – e não representam uma mudança tão profunda quanto a de suas aulas.

Isso é perceptível mesmo evitando comparações com pintores europeus impressionistas do mesmo período que também realizam pintura ao ar livre.

Em 1882, com Thomas Driendl, fez a decoração do Liceu Literário Português, no Rio de Janeiro, destruído posteriormente por um incêndio.

Em 1884, na Exposição Geral de Belas Artes, é premiado, com Driendl e Castagneto, com a 1ª medalha de ouro.

Outros alunos de Grimm como Vasquez, Caron e França Júnior também recebem prêmios, o que representa uma grande vitória e consagração do Grupo Grimm.

Três anos depois, já com problemas de saúde por causa da tuberculose, após visitar Parreiras, viaja para a Itália, passa por Tunis e Sicília e chega a Palermo, onde falece.

Fonte de pesquisa:

GEORG Grimm. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa23394/georg-grimm>. Acesso em: 29 de Out. 2020. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7

CALABRIA Carla Paula Brondi; MARTINS, Raquel Valle. Arte, história e produção: arte brasileira. São Paulo: FTD, 1997.

COMO CITAR?

Para citar o História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. Georg Grimm. História das Artes, 2020. Disponível em: <http://www.historiadasartes.com/prazer-em-conhecer/georg-grimm/>. Acesso em 24 Nov 2020.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: