Ismael Nery

Ismael Nery

Nasceu em Belém, no dia 9 de outubro de 1900. Viveu no Rio de Janeiro desde a infância.

Em 1917 ingressa na Escola Nacional de Belas Artes.

Em 1920 viajou para Europa, onde frequentou a Academia Julien, em Paris.

De volta ao Brasil, trabalha como desenhista na seção de Arquitetura e Topografia da Diretoria do Patrimônio Nacional.

Lá torna-se amigo de Murilo Mendes, que foi grande incentivador de sua obra.

Sua estética foi permeada pelo expressionismo no começo de sua carreira, porém, passou por uma fase cubista.A obra de Ismael Nery, neste período, aponta influências cubistas fruto de seu primeiro contato com a escola de Paris.

Diferente dos outros artistas da Primeira Geração Modernista, ele não buscava uma identidade nacional antes aproximava-se de valores universais, internacionalistas, de acordo com sua ideias filosóficas e místicas.

Casa-se com poetisa Adalgisa Nery, musa de suas principais pinturas. Apesar de já trabalhar com formas modernas, seu assunto o diferencia do modernismo brasileiro.

Seus personagens aparecem em cenários imaginários, avessos a qualquer referência reconhecível.

Ele trata, basicamente, da figura humana, idealizada, a serviço de uma figuração simbólica. Neste período, faz retratos, como a obra Retrato de Murilo Mendes.

A relação entre as partes claras e as partes escuras é bastante marcada.

Ismael Nery, posteriormente, dá tratamento mais geométrico a suas figuras, influenciado por Picasso e André Breton.

Na época a casa do artista se torna um ponto de encontro de artistas e intelectuais cariocas.

É frequentada, entre outros, por Mário Pedrosa, Murilo Mendes, Guignard e Antonio Bento.

Em 1926, estruturou um sistema filosófico denominado Essencialismo, baseado na abstração do tempo e do espaço e na preservação de elementos essenciais à existência, concebendo o ser humano de forma totalmente espiritual.

Em 1927, Nery parte, com a esposa e a mãe, para a Europa, onde convive com Heitor Villa-Lobos e André Breton, conhece Marc Noll e Marc Chagall.

A viagem influencia profundamente sua pintura. Ele volta particularmente impressionado com o trabalho de Chagall que seus temas e personagens, a partir daí, aproximam-se dos do artista russo.

Ismael Nery teve uma pequena produção de aquarelas, óleos e desenhos, porém, a sua produção só foi reconhecida na exposição da 8° Bienal Internacional de Artes de São Paulo (1965), quando reunidas na Sala Especial de Surrealismo e Arte Fantástica.

Suas obras também foram expostas na 10ª Bienal de São Paulo.

Em 1930, contrai tuberculose, enfermo, seus trabalhos passam a revelar seu drama pessoal e a fragilidade do corpo e morreu, ainda jovem, no Rio de Janeiro, no dia 6 de abril de 1934.

Em 1948, uma série de artigos de Murilo Mendes publicados nos jornais O Estado de S. Paulo e Letras e Artesbusca resgatar a obra plástica, literária e filosófica do artista.

Esquecido, Ismael Nery, passa a ser valorizado em meados dos anos 1960 com exposições realizadas em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Ismael Nery foi um pintor brasileiro, considerado um dos precursores do surrealismo no Brasil.

 

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

2 comentários em “Ismael Nery”.

Os comentários não representam a opinião do www.historiadasartes.com, a responsabilidade é do autor da mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *