Piet Mondrian

Piet Mondrian

Pintor holandês, nascido em 7 de março de 1872, em um ambiente calvinista. Seu verdadeiro nome era Pieter Cornelis Mondriaan. O seu pai, professor de escola, pretendia que o filho o sucedesse no ofício. Somente com muita má-vontade admitiu que Piet se formasse na técnica do desenho, certo de que depois se dedicaria a lecioná-la. Conseguidos os diplomas que o habilitassem para exercer a profissão de professor de desenho, recusou-se a ensinar e  matriculou-se, em 1892, na Academia de Belas-Artes de Amsterdam onde permaneceu até 1895. Resolveu suas grandes dificuldades econômicas realizando cópias nos museus e aceitando encomendas de desenho industrial. Realiza suas primeiras exposições e maravilha seu professores pelo rigor de sua disciplina no trabalho.

Suas pinturas seguem o naturalismo realista. Em 1901 faz uma curta viagem à Espanha. Em 1903 experimenta uma profunda crise espiritual ao entrar em contato com grupos católicos do Brabante, que acabam retratados em seus quadros com toques místicos.

Entre 1908 e 1911, dos pintores de vanguarda, Mondrian primeiramente sofreu influência de Van Gogh, Jan Toorop, Georges Seurat, Paul Cézanne e Pablo Picasso. O resultado foi uma técnica mais ousada, uma paleta mais clara e uma abordagem cada vez mais sistemática em sua obra.

No fim de 1911, simplifica seu sobrenome, entra em contato com o Cubismo e se estabelece no parisiense Montparnasse, onde executa sua série de Árvores, na qual persegue a abstração. E, 1914, uma doença do pai o obriga a voltar ao seu país natal, onde o surpreende a I Guerra Mundial, e ali deve ficar. Ainda em plena conflagração, em 1917, conhece Theo van Doesburg, com quem funda a revista De Stijl, na qual publica vários ensaios pragmáticos. E, 1919 pode voltar a Paris, onde faz seu manifesto sobre o neoplastia.

A partir de então, sua ênfase sobre a interação dinâmica e puramente relacional entre verticais e horizontais e planos coloridos. Por meio de tais relações efêmeras, Mondriam reinterpretou as formas esféricas em termos de um jogo dinâmico de forças interiores e exteriores, percebendo analogias mais profundas com oposições entre energia e matéria, espaço e tempo.

Com rigidez calvinista dirige o grupo Abstraction-Création, que reúne numerosos artistas de vanguarda. Mondrian expõe raramente e vende só a colecionadores bem informados. Contudo, o seu nome começa a soar mundialmente nos meios artísticos. Em 1938 sentindo a iminência da guerra, refugia-se em Londres, quando as bombas caem sobre a capital britânica, em 1940, muda-se para o Estados Unidos. Durante 4 anos a paleta de Mondrian se anima no novo lar, Nova York. Talvez tenha sido contagiado pelo ritmo vertiginoso daquela cidade estridente. Mondrian exclui o negro de sua última composição, Broadway Boogie-Woogie, onde pinta com suas peculiaridades neoplásticas, em retângulos e quadrados, a agitação da nova pátria, a exuberante vitalidade do jazz e o barulho das ruas e das pessoas.

Pouco depois, busca uma nova criação em tela, batizada Victory Boogie-Woogie, que não teve tempo de finalizar. Morreu, em 1º de fevereiro de 1944, possivelmente feliz, na nova capital da arte presidida pela estátua da Liberdade.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Um comentário em “Piet Mondrian”.

Os comentários não representam a opinião do www.historiadasartes.com, a responsabilidade é do autor da mensagem.
  1. Muito legal e também muito interessante! Grande história de vida de um grande pintor,com sua própia personalidade e interessantes pinturas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *