Experimentação Cubista

História das Artes > Olho-vivo > Ateliê > Experimentação Cubista
Experimentação Cubista

Para desenvolver um trabalho ao estilo Cubista, primeiro você deve conhecer as origens e algumas características desse movimento artístico.

O cubismo foi uma das primeiras correntes artísticas das chamadas vanguardas históricas do século 20. Manifestou-se na França entre os anos 1908 e 1910.

Os pintores e escultores deste movimento afirmavam que na natureza é possível reduzir todas as coisas a formas geométricas perfeitas, mediante as quais elas podem ser representadas. Essa síntese da realidade é fruto de uma busca dos elementos mais fundamentais e primários das artes plásticas, de suas próprias raízes.

De fato, uma das características principais do cubismo é a revalorização das formas geométricas (triângulos, retângulos e cubos), além, é claro, da proposição da pintura e da escultura como formas de expressão.

Quanto ao nome dado a esse novo movimento, ele não partiu dos próprios artistas, mas dos críticos de arte da época, totalmente desconcertados diante desse novo caminho de expressão artística.

Ao visitar as primeiras exposições e convencidos de que se tratava de uma arte experimental que nunca chegariam a entender, começaram a se referir às obras com o nome de cubos ou de raridades cúbicas.

Essa nova corrente foi representada por dois grandes pintores e escultores: Pablo Picasso e Georges Braque, embora se possa dizer que foi o primeiro, com sua obra “As Senhoritas de Avignon”, que iniciou o cubismo propriamente dito.

Mão a obra
1 – Vamos começar com a escolha de um objeto. Procure um objeto real, que você possa observar todos os seus lados e detalhes. Lembre-se de que esse objeto será o tema principal do seu trabalho, então capriche na escolha. Nós utilizamos uma caixa de fósforos.

2 – Observe o objeto que você escolheu e desenhe, separadamente, quatro ou mais faces distintas desse objeto. Não esqueça dos detalhes e você poderá, inclusive, desenhar a parte interna do objeto O que vale é fragmentá-lo.

3- Em seguida, escolha o suporte onde você quer trabalhar, por exemplo, papel, cartolina, tela de pintura, computador, etc. Sobreponha as faces desenhadas anteriormente, criando uma imagem do objeto à maneira cubista, ou seja, demonstrar o objeto tridimensional em um espaço bidimensional. Para finalizar o seu trabalho você poderá utilizar as cores sóbrias, como aquelas que os pintores cubistas utilizavam, ou então as cores que você mais gostar.

4- Se você quiser poderá transformar o seu trabalho de Cubismo Analítico para Cubismo Sintético acrescente a colagens de letras, números ou outros materiais.

Mostre seu talento
Como ficou? Você curtiu entender e produzir trabalhos ao estilo do Cubismo?
Compartilhe sua experiência conosco através das nossas redes sociais usando #historiadasartestalentos

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *