Instituto de Arte de Chicago

História das Artes > Museus > Instituto de Arte de Chicago
Instituto de Arte de Chicago

O Instituto de Arte de Chicago deve sua grande coleção de quadros, em maior proporção que qualquer outro museu dos Estados Unidos, à generosidade de ilustres benfeitores, ricos comerciantes, banqueiros e industriais da cidade de Chicago de fins do século 19 e principalmente do século 20, tais como Martin A. Ryerson, Charles Deering, Potter Palmer e Frederic Clay Bartlett, apenas para mencionar alguns.

O prédio atual é um edifício clássico de Beaux-Arts, de Shepley, Rutan e Coolidge de Boston, Massachusetts. O prédio é composto por 273 galerias que totalizam 56.200 mil metros quadrados. O edifício tem uma grande fachada renascentista italiana com uma seção central de cinco baías que se projeta para a frente das asas de sete alas de cada lado. O lounge de entrada é coberto por três grandes arcos palladianos que são separados por meio de colunas coríntias.

Fundado em 1882, o Instituto de Arte de Chicago adquiriu em 1890 alguns quadros notáveis da coleção do Príncipe Denidoff – como os quadros A Jovem Donzela ante a Porta Entreaberta, de Rembrandt, O Retrato de um Artista, de Hals, O Moinho, de Hobbema, e O Homem do Cravo de Metsys – quadros que foram um núcleo da coleção de pintura.

Quinze anos mais tarde, a conselho da pintora americana Mary Cassatt, se comprou A Assunção da Virgem, uma das obras maestras de El Greco, conservada na igreja de Santo Domingo, o Antigo, de Toledo. Enquanto Potter Palmer comprava em Paris pinturas impressionistas, como A Moça do Circo, de Renoir, O Hipódromo, de Manet e o Rio, de Monet, Charles Deering, que vivia num castelo na Espanha, adquiria duas obras magistrais: O Altar de Ayala, formidável exemplar da pintura gótica espanhola, de autor desconhecido, pintado para um altar do convento de San Juan de Quejana de Ayala em 1396, e São Romão, de Zurbarán.

No século 20, também chegaram ao Instituto, através de doações, obras abstracionistas, fovistas, expressionistas e cubistas. A obra La Grande Jatte, de Georges Seurat, considerada antológica da pintura impressionista, doação de Bartlett. Inúmeras outras importantes obras foram sendo reunidas por lá.

Hoje, a coleção do Instituto de Arte de Chicago abrange mais de 5.000 anos de expressão humana de culturas de todo o mundo e contém mais de 300.000 obras de arte em 11 departamentos de curadores.  Destacadas dessa forma:

Arte africana e arte indiana das Américas
As coleções de arte africana e de arte indiana das Américas estão exibidas em duas galerias na extremidade sul do edifício da Michigan Avenue. A coleção africana inclui mais de 400 obras que abrangem o continente, destacando cerâmicas, roupas, máscaras e jóias. A coleção ameríndia inclui arte nativa norte-americana e obras mesoamericanas e andinas.

Arte americana
A coleção de arte americana contém algumas das obras mais conhecidas do cânone americano, incluindo os Nighthawks, de Edward Hopper, American Gothic, de Wood, e o The Child’s Bath, de Mary Cassatt. A coleção varia de prata colonial a pinturas modernas e contemporâneas.

Ancestral e Bizantina
Essa coleção abrange 4.000 anos de arte e história, apresentando esculturas, mosaicos, cerâmicas, jóias, vidro e bronze egípcios, gregos, etruscos, romanos e egípcios, bem como uma coleção robusta e bem conservada de moedas antigas.

Arquitetura e Design
O Departamento de Arquitetura e Design possui mais de 140 mil obras, desde modelos até desenhos da década de 1870 até o presente. A coleção cobre a arquitetura paisagística, engenharia estrutural e design industrial, incluindo as obras de Frank Lloyd Wright, Ludwig Mies van der Rohe e Le Corbusier.

Arte asiática
Há 35.000 objetos na coleção, exibindo bronzes, cerâmicas e jades, bem como têxteis, telas, gravuras em madeira e esculturas da China, Coréia, Japão, Índia, Sudeste Asiático e Oriente Próximo.

Artes decorativas europeias
Possui objetos de mobiliário, cerâmica, metal, vidro, esmalte e marfim de 1100 a.C até o presente. O departamento contém os 1.544 objetos da coleção de papelão de Arthur Rubloff e os 68 quartos miniatura de Thorne – uma coleção de interiores miniaturizados de uma escala de 1:12 mostrando estilos de arquitetura e móveis americanos, europeus e asiáticos desde a Idade Média até a década de 1930.

Pintura e escultura europeias
O museu é mais famoso por sua coleção de pinturas impressionistas e pós-impressionistas, amplamente considerada como uma das melhores coleções fora da França. A coleção também inclui as obras de Arte, Armas e Armaduras Medievais e Renascentistas e três séculos de obras dos Antigos Mestres.

Arte moderna e contemporânea
Destacamos da coleção algumas obras de Pablo Picasso, Henri Matisse, Constantin Brâncuşi, René Magritte, Andy Warhol, Cindy Sherman, Cy Twombly, Jackson Pollock e Jasper Johns.

Fotografia
Aqui temos cerca de 20 mil obras abrangendo a história da fotografia até o presente.

Impressões e desenhos
Traça obras do século 15 ao contemporâneo. A coleção contém um grupo forte das obras de Albrecht Dürer, Rembrandt, Francisco Goya e James McNeill Whistler. Os trabalhos em papel são sensíveis à luz e se degradam rapidamente, por isso, eles estão em exibição com pouca frequência, a fim de mantê-los em boas condições o maior tempo possível.

Têxteis
A coleção trata desde artesanato inglês e vestuário japonês até colchas americanas, ainda apresenta um grupo diversificado de objetos, incluindo obras contemporâneas e arte de fibras.

Instituto de Arte de Chicago. 111 S Michigan Ave, Chicago, Illinois, Estados Unidos. Aberto diariamente, das 10h30 às 17h. Quintas até 20h.  Fechado nos feriados de Ação de Graças, Natal e Ano Novo.

Fique atento! Horários podem mudar sem aviso prévio. Consulte sempre os sites oficiais.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *