Pensamentos e Reflexões sobre a Arte por Georges Braque – 1917

História das Artes > Sala dos Professores > Pensamentos e Reflexões sobre a Arte por Georges Braque – 1917
Pensamentos e Reflexões sobre a Arte por Georges Braque – 1917

Georges Braque um dos mais representativos pintor cubista, explica e facilita o entendimento de como um artista percorre mentalmente para criar uma obra intricada e objetiva como a desse estilo, deixando a emoção de lado.

“Em arte, o progresso não consiste na extensão, mas no conhecimento dos limites.

A limitação dos meios determina o estilo, cria nova forma e impulsiona a criação.

Os meios limitados constituem, com frequência, o encanto e a força da pintura primitiva. A extensão, pelo contrário, leva as artes à decadência.

Novos meios, novos motivos.

O motivo não é o objeto, é uma nova unidade, um lirismo que cresce totalmente a partir dos meios.

O pintor pensa em termos de forma e cor.

A meta não é a preocupação com a reconstituição de uma fato anedótico, mas a constituição de um fato pictórico.

A pintura é um método de representação.

Não devemos imitar aquilo que queremos criar.

Não se imitam as aparências: a aparência é o resultado.

Para ser imitação pura, a pintura deve esquecer a aparência.

Trabalhar copiando a natureza é improvisar.

Devemos ter cuidado com uma fórmula que serve para tudo, que serve para interpretar as outras, bem como a realidade, e que em vez de criar apenas produzirá um estilo, ou antes, uma estilização.

As artes que conseguem seu efeito pela pureza nunca foram artes boas para tudo. a escultura grega (entre outras), com sua decadência, nos ensina isso.

Os sentidos deformam, a mente forma. Trabalhe para aperfeiçoar a mente. Não há certeza senão naquilo que a mente concebe.

O pintor que desejasse fazer um círculo traçaria apenas uma curva. Sua aparência poderia satisfazê-lo, mas ele duvidaria dela. O compasso dar-lhe-ia a certeza. Os papéis colados nos meus desenhos também me dão a certeza.

O trompe l’oeil se deve a um acaso anedótico cujo êxito se deve à simplicidade dos fatos.

Os papéis colados, as madeiras de imitação – e os outros elementos semelhantes – que usei em alguns dos meus desenhos também obtêm êxito pela simplicidade dos fatos; isso fez com que fossem confundidos com a ilusão de ótica, da qual são o oposto exato. São também simples fatos, mas criados pela mente, e constituem uma das justificativas de uma nova forma no espaço.

A nobreza nasce da emoção contida.

A emoção não deve ser transmitida por um tremor excitado; não pode ser acrescentada, nem imitada. É a semente, e o trabalho é a flor.

Gosto da regra que corrige a emoção.”

Publicado originalmente em “Nord-Sud” (Paris) , Pierre Reverdy, editor, dezembro de 1917

Duas obras de Braque para entender melhor a sua reflexão.

 

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Um comentário em “Pensamentos e Reflexões sobre a Arte por Georges Braque – 1917”.

Os comentários não representam a opinião do www.historiadasartes.com, a responsabilidade é do autor da mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *