Picasso: mão erudita, olho selvagem

História das Artes > Sala dos Professores > Picasso: mão erudita, olho selvagem
Picasso: mão erudita, olho selvagem

A exposição traz trabalhos do artista espanhol, pertencente ao Musée National Picasso-Paris, as peças guardam uma relação muito particular de Picasso com a sua obra, já que foram selecionadas e mantidas por ele ao longo de sua vida.

Com curadoria de Emilia Philippot, curadora também do Musée National Picasso-Paris, é composta por 153 peças, sendo a maioria inédita no Brasil, traçando um percurso cronológico e temático em torno de conjuntos que seguem as principais fases do artista.

São 116 trabalhos do mestre espanhol (34 pinturas, 42 desenhos, 20 esculturas e 20 gravuras), além de uma série de 22 fotogramas de André Villers realizados em parceria com Picasso. Completam a mostra 12 fotografias de autoria de Dora Maar, 3 de Pierre Manciet e filmes sobre os trabalhos e seus processos de realização.

O fio condutor da mostra é a relação especial mantida por Pablo Picasso com suas próprias obras. O visitante percorre um caminho cronológico-temático em 10 seções:

  • Picasso. Formação e influências (por volta de 1900);
  • Picasso exorcista. As Senhoritas de Avignon (processo da geometrização das formas);
  • Picasso cubista. O violão (relação com a música);
  • Picasso clássico. A máscara da antiguidade (a maternidade, o teatro e a dança);
  • Picasso surrealista. As Banhistas;
  • Picasso engajado. Guernica (estudos da obra, fotos e foco na apresentação da tela em 1953 no Brasil/ 2ª Bienal de São Paulo);
  • Picasso na resistência. Interiores e vanitas (processo de trabalho durante a guerra, vida doméstica e vaidades);
  • Picasso múltiplo. A alegria da experimentação (da cerâmica ao fotograma);
  • Picasso trabalhando. O Mistério Picasso (a magia de seu processo criativo na pintura);
  • Picasso. O triunfo do desejo (erotismo em todos seus estados).

Neste percurso, dois projetos fotográficos de primeira ordem testemunham, respectivamente, a realização de Guernica (reportagem realizada por Dora Maar), e a experiência dos fotogramas realizados em parceria com André Villers.

Além das obras, a exposição mostra filmes que permitem ao espectador penetrar no coração da criação do trabalho do artista, como o Guernica de Alain Resnais e Robert Hessens (1949) que revisita a obra do pintor através do olhar dos desastres da guerra. Dirigido por Henri-Georges Clouzot, em 1956, Le Mystère Picasso revela a extraordinária vitalidade de seu processo criativo.

agenda

Instituto Tomie Ohtake. Rua Coropés, 88, Pinheiros, São Paulo. De terça a domingo, das 11h às 20h. Entrada R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia). Terça-feira entrada gratuita, mediante retirada de senhas na bilheteria. Crianças até 10 anos e pessoas com deficiência têm entrada gratuita todos os dias da exposição. Até 14/08/16.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *