Símbolo de Atenas

História das Artes > Museus > Símbolo de Atenas
Símbolo de Atenas

À medida que você se aproxima da entrada do Museu de Acrópole, você encontrará algo parecido com um dispositivo de segurança primitivo. Montado em cima de uma coluna alta, uma coruja de mármore branco, ao mesmo tempo elegante, inescrutável e ligeiramente intimidante, fixa o visitante com seu olhar penetrante. Esta estátua, datada do Período Arcaico, é um toque de boas-vindas preservado do antigo Museu da Acrópole. Muito antes de mascotes e logotipos, a coruja representa não só a cidade de Atenas, mas também os conceitos de sabedoria e prosperidade.

A coruja tem sido uma característica definidora da Acrópole e da cidade de Atenas há séculos e pode ser vista, tanto no museu como em toda a cidade. Alguns relatos românticos têm seus ancestrais distantes que se assemelham em altas vigas do Partenon original, antes que ele fosse queimado pelos persas em 480 a.C., para ser substituído pelo templo de mármore mais familiar que fica hoje na Acrópole.

Nos tempos clássicos, a coruja era o emblema da cidade de Atenas. Era o pássaro sagrado da deusa Atenas, a divindade patronal da cidade. As pinturas de vasos, as estátuas e os relevos mostram frequentemente Atenas na companhia de uma coruja, que às vezes voa em volta dela e, em outras ocasiões, fica sentada em seus ombros, dando-lhe seus conselhos. Além de ser uma feroz protetora da cidade, Atenas era a deusa da sabedoria, e a coruja era a encarnação de seus poderes intelectuais.

Ninguém sabe exatamente como essa associação surgiu. Alguns dizem que a capacidade de ver no escuro que deu ao pássaro sua reputação de sabedoria. Outros sugerem que as raízes desta conexão estão profundas no mito pré-histórico, sugerido por imagens iniciais de divindades femininas em companhia de pássaros. Até hoje, a pequena coruja (Athena noctua) deve seu nome cientifico ao seu relacionamento com a deusa Atenas.

Enquanto pessoas de outras culturas ao redor do mundo associam a coruja com infortúnio e feitiçaria, os antigos atenienses consideraram que era um bom presságio. No campo de batalha, a visão de uma coruja reuniu as tropas atenienses com a promessa da vitória. Em um exemplo famoso, o general ateniense Themistocles estava dirigindo-se a seus comandados do convés do navio, tentando convencê-los de que deveriam combater os persas invasores. Quando ele estava falando, uma coruja pousou no mastro do navio. O visitante aviário ganhou Themistocles, então sua frota envolveu-se com a dos Persas na Batalha de Salamina, e a cidade foi salva.

Mas a coruja também teve associações mais prosaicas. Quando o coro na comédia de Aristófanes The Birds, que invoca que as corujas de Lavrion irão para a audiência, a referência era para corujas de prata, ou seja, o dinheiro. Nos tempos clássicos, Atenas devia sua riqueza à prata extraída das minas de Lavrion, localizada na costa sudeste da cidade. O tetradrachm ateniense, a moeda de quatro dracmas, foi impressa de um lado com a imagem de Atenas e a outra com uma coruja e um ramo de oliveira.

A moeda era conhecida coloquialmente como glaux (pequena coruja) e era a moeda do mundo antigo. As atuais moedas de um euro, cunhadas na Grécia, têm o mesmo motivo de glaux que a antiga moeda ateniense.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *