A Luta ou Batalha entre Carnaval e Quaresma, Pieter Bruegel, o Velho

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > A Luta ou Batalha entre Carnaval e Quaresma, Pieter Bruegel, o Velho
A Luta ou Batalha entre Carnaval e Quaresma, Pieter Bruegel, o Velho

A Luta ou Batalha entre o Carnaval e Quaresma evoca o contexto religioso nos Países Baixos em meados do século dezesseis.

A obra retrata uma hospedaria no lado esquerdo e uma igreja (catedral) no lado direito.

No centro inferior da tela se encontram as duas figuras emblemáticas.

Do lado direito, uma mulher (Quaresma) encabeça a procissão na qual o séquito se desdobra em ações filantrópicas.

A magérrima senhora Quaresma está sentada em uma pequena carroça puxada por um monge e uma freira.

Do lado esquerdo, encabeçando os festejos estridentes junto à pousada, um “cavaleiro” obeso, literalmente montado em um barril de cerveja com uma bisteca de porco espetada, representa o Carnaval.

A bolsa de facas em seu cinto indica que ele é um açougueiro.

No lugar de capacetes, os personagens portam, respectivamente, colmeia e torta de carne; em vez de lanças, instrumentos com peixes e carne de porco.

De um lado, uma barraca de peixes; do outro, dois carros alegóricos.

De um lado, a encenação popular denominada “A Noiva Suja”; do outro, um grupo de aleijados sai para mendigar, enquanto passa uma procissão de leprosos liderada por um tocador de gaita…

O cenário ao fundo é dominado por pessoas que trabalham, principalmente com alimentos.

À entrada da igreja, encontram-se estátuas veladas, retratando o costume católico de cobrir todas as obras de arte na Quaresma até o domingo de Páscoa.

A celebração da ressurreição de Cristo era sinalizada pelo descobrir as esculturas e pinturas.

A pintura de Bruegel, rica em alegorias e simbolismos, é claramente provocante e satírica.

Diversas e infindáveis interpretações têm sido oferecidas.

Alguns sugerem o conflito religioso oriundo da Reforma Protestante e a reação da Contrarreforma, emanada do Concílio de Trento em 1547.

Ao lado do carnaval está um tocador de alaúde, que era um símbolo frequente do luteranismo.

Os reformadores luteranos tinham abolido a Quaresma, mas em seus territórios o carnaval ainda resistia.

Outros sugerem o contexto econômico, resultante do calendário religioso, com a transição entre dois diferentes pratos sazonais.

A oferta de carne de gado, em alta, teve seu comércio estancado com a abstinência forçada no período da Quaresma.

Os açougues são fechados e os açougueiros viajam para o campo a fim de comprar o gado para a primavera.

Alguns interpretam a obra como “o triunfo da Quaresma”, uma vez que a figura do Carnaval parece se despedir com a mão esquerda e com os olhos levantados para o céu.

No centro da tela, de costas, um par recém-casado, com a mulher portando uma luminária apagada nas costas.

O casal é guiado por um bobo com uma tocha acesa.

Alguns sugerem que este trio seria uma representação alegórica da Razão no contexto da batalha tematizada.

 

Ficha Técnica:
Título:A Luta ou Batalha entre o Carnaval e a Quaresma
Autor: Pieter Bruegel o Velho
Técnica: Óleo sobre Madeira
Ano: 1559
Dimensões: 118 x 164,5 cm
Acervo: Museu de História da Arte de Viena,  Áustria

Interpretações diferentes sobre uma mesma obra, faça a sua interpretação da alegria e descontração do carnaval para dias mais calmos de reflexão.
Coloque esse contraste em um desenho, use cores alegres para a parte do carnaval e cores sóbrias para o lado da meditação.

Fotografe a sua obra e compartilhe nas nossas mídias sócias #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *