Estudos para igrejas de cúpulas centralizadas, Leonardo da Vinci

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Estudos para igrejas de cúpulas centralizadas, Leonardo da Vinci
Estudos para igrejas de cúpulas centralizadas, Leonardo da Vinci

O Manuscrito B apresenta um conjunto de desenhos realizados por Leonardo Da Vinci cerca de 1488. Naquela época, o mestre trabalhava sobre um projeto de igreja centralizada para a catedral de Milão. Os desenhos originais estão guardados na Biblioteca do Instituto da França de Paris.
A peça em questão contém dois desenhos para uma igreja de planta centralizada com várias cúpulas. Os modelos versam sobre o conceito ideal dentro do gênero da arquitetura religiosa do Renascimento. Esta se baseia na recuperação da linguagem arquitetônica da Antiguidade Clássica, em oposição ao mundo do Gótico. Os desenhos vêm acompanhados de descrição especular, que pode ler-se da direita para a esquerda. Da mesma forma que em seus estudos de anatomia, a imagem e o texto se complementam mutuamente, como se tivessem um fim didático.

O artista utilizou a tinta e a pena para a execução deste manuscrito. A maior parte dos desenhos arquitetônicos do mestre consistem em diversas variações de edifícios com planta centralizada. Recorre a figuras geométricas como o quadrado, o círculo, diferentes polígonos. Neles inscreve uma planta em cruz, de braços iguais, aparecem diversas capelas que são cobertas por cúpulas semi-esféricas. Durante aqueles anos, foram construídas igrejas de pequeno tamanho que seguiam estes padrões. Quando Bramante projeta inicialmente o novo Vaticano, conceberá um edifício cruciforme e centralizado. Posteriormente, o tempo e os diferentes mestres que trabalharam na obra viriam a alterar a ideia originária.

Observando o método de representação destes desenhos, pode comprovar-se que Leonardo aplica o mesmo sistema utilizado em seus desenhos de crânios humanos. Vistas exteriores em perspectiva, planos, alçados, tudo é extrapolável à representação humana. Disto pode deduzir-se que o mestre utiliza um cânone único e universal para qualquer representação da realidade.

O homem torna-se a medida de todas as coisas. Despreza-se a visão medieval, absolutamente intermediada pela influência religiosa. O idealismo do artista e o de seus contemporâneos fica evidenciado no uso das formas geométricas simples em seus desenhos. O círculo e o quadrado são sinal de perfeição, de divindade e de eternidade. O pagão e o cristão se conjugam em função da criação de uma estética nova e ideal, de pretensões universais. É a estética do Renascimento.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre esses desenhos de estudo de Leonardo da Vinci, experimente desenvolver sua releitura sobre o tema, inspire-se nas características do Renascimento, use o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: