Moema – Victor Meirelles

Moema – Victor Meirelles

A obra de Victor Meirelles pertence à tradição acadêmica brasileira, formada por uma mistura de referências neoclássicas, românticas e realistas, mas o pintor absorveu também influências barrocas e de outros grupos.

Depois de um período de relativa obscuridade, a crítica recente o reinstalou como um dos precursores da pintura moderna brasileira e um dos principais pintores do século XIX, para muitos o maior de todos, sendo autor de algumas das mais célebres recriações visuais da história brasileira, que permanecem vivas na cultura nacional e são incessantemente reproduzidas em livros escolares e uma variedade de outros meios.

A tela Moema  inspira-se no canto VI do poema épico Caramuru (1781), de frei José de Santa Rita Durão (1722 – 1784), que, como outros textos literários do período, trata do tema indianista ligado ao imaginário nacional.

O poema narra a desventura da índia que, abandonada pelo português Caramuru, se atira ao mar e segue o navio no qual ele está partindo.

Caramuru levava em sua companhia apenas a índia Paraguaçu.

Na estrofe XXXVII do poema, o autor narra a situação de Moema:

“Copiosa multidão da nau Francesa
Corre a ver o espetáculo assombrada;
E ignorando a ocasião da estranha empresa,
Pasma da turba feminil, que nada:
Uma, que às mais precede em gentileza,
Não vinha menos bela, do que irada:
Era Moema, que de inveja geme,
E já vizinha à nau se apega ao leme.”

Moema morre de exaustão e seu corpo é levado até à praia pela maré, onde é encontrado.

No quadro, o corpo nu, banhado pelas ondas na praia, é exposto em primeiro plano, o rosto revela uma beleza exótica.

O pintor cria uma imagem sensual e que, ao mesmo tempo, causa estranheza.

Revela um sentimento poético na representação da paisagem.

A cena representada por Victor Meirelles não consta no poema original de Santa Rita Durão.

O artista optou por um momento posterior à narrativa do poema, criado por ele mesmo.

E foi além, criando ele próprio também uma nova narrativa, com a presença dos índios que estão prestes a resgatar o corpo de Moema, fazendo assim um novo fecho para o drama da heroína trágica.

Em vez de sepultá-la no mar, como faz Santa Rita Durão, Meirelles trouxe-a de volta para sua terra, e indicou que seu corpo seria resgatado, o que remete a se imaginar que seriam dados a ela os rituais fúnebres próprios de sua cultura.

O que se pode considerar inicialmente a respeito deste tratamento mais piedoso que o pintor dá à personagem, é que ele pode estar relacionado ao contexto social abordado anteriormente, o qual transformou Moema em uma personagem de relevo, valorizando-a e dando-lhe maior importância do que no poema.

Na pintura, o corpo nu de Moema, em primeiro plano, encontra-se numa praia desértica, em meio a pedras, areia e conchas.

Tudo em derredor parece silencioso e calmo.

Até o mar mostra-se quieto.

O dia parece estar amanhecendo.

Os cabelos negros e revoltos da índia estão espalhados sobre a areia, como se servissem de travesseiro para seu rosto pálido, voltado para o céu.

Ela ainda traz no corpo parte da tanga de penas coloridas, que lhe cobre a púbis, arranjo esse que tira a naturalidade da pose.

Na época em que foi feita, a pintura teve pouca repercussão, contudo, atualmente é vista com outros olhos.

Críticos e historiadores de arte têm-na como um importante marco na carreira de Victor Meirelles, sendo um dos mais notáveis exemplos do indianismo romântico na artes visuais brasileira, transformando-se num ícone nacional, inclusive recebendo várias releituras e sendo objeto de estudo nas escolas.

Ficha técnica
Título: Moema
Ano: 1866
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 129 x 190
Acervo: Museu de Arte de São Paulo (MASP), Brasil

Faça você também!

Escolha um poema da sua preferência e faça a imagem que o texto inspira, use cores para a arte final.

 

Fotografe a sua obra e compartilhe nas nossas mídias sociais historiadasartes/talento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *