Símbolos do templo no Egito

História das Artes > Sala dos Professores > Símbolos do templo no Egito
Símbolos do templo no Egito

Os edifícios religiosos constituem a grande maioria das obras arquitetônicas que permaneceram. Quase todos eram tão simbólicos como estritamente funcionais. Os templos recriam o cosmo ou parte dele. Este cosmo é um cosmo ideal, purificado é à parte do mundo cotidiano, e a sua relação com este último é uma relação de analogia e não de representação direta.

O seu objetivo é fazer com que o habitante do templo participe simbolicamente do próprio processo de criação, ou nos ciclos cósmicos, em particular do Sol.

Este simbolismo exprime-se na localização e plano dos templos e na decoração das paredes e tetos. Tudo isto é facilmente observável nos templos do período grego-romano, que possivelmente pouco diferem em significado dos seus precursores do Império Antigo.

A estrutura é separada do mundo exterior por um espesso muro circundante de tijolo, imitando, talvez, o estado líquido do cosmo na altura da criação. Dentro deste espaço encontram-se a sala de entrada, ou pilone, decorada no exterior com cenas que representam o faraó matando inimigos. Estas cenas garantem, de modo mágico, que a desordem não deve entrar no templo.

O pilone é o maior elemento do templo. Visto em seção, encerra a área por detrás dele na sua altura. Ao mesmo tempo os seus dois maciços, com intervalo entre si, assemelham-se ao hieróglifo, um círculo na parte superior de quadrado, que significa o horizonte.

O templo era construído de modo que o Sol se levante na entrada do pilone, entrando os seus raios no santuário, que está colocado mesmo sobre o eixo, e seguindo o seu curso através do templo.

A parte mais imponente do templo principal é a sala hipóstila ou de colunas. Os capitéis das colunas representam plantas aquáticas; a sala é, simbolicamente, o pântano da criação.

As arquitraves e o teto têm relevos representando o céu, de modo que a decoração abranja todo o mundo. Em vez de pântano, o registro mais baixo pode conter portadores de oferendas, trazendo produtos da terra para alimentar o templo. Nenhum deles faz parte do esquema principal, mais abstrato, que consiste em vários registros de cenas, organizadas como um tabuleiro de xadrez, que representam o faraó, virado para dentro, para o santuário, apresentando oferendas e realizando rituais de homenagem ao deus.

O deus, que reside no templo, está virado para o exterior, sendo as divindades representadas nos relevos mais diversificadas do que as veneradas num único templo.

O santuário representa o morro da criação, relacionado com pântano da sala hipóstila e, ao atravessar em direção ao santuário, uma procissão passa pelas fases da criação.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: