Alçapão de Lagosta e Cauda de Peixe, Alexander Calder

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Alçapão de Lagosta e Cauda de Peixe, Alexander Calder
Alçapão de Lagosta e Cauda de Peixe, Alexander Calder

O delicado equilíbrio e movimento das formas de metal criam uma imagem de um alçapão de lagosta, ao passo que o peixe estilizado de cores vivas e nove elementos pretos pendurados abaixo dão-nos a impressão de estarmos vendo um esqueleto de peixe.

Os elementos de metal movem-se graciosamente, uns independentes dos outros, em círculos lentos, impelidos pelas correntes de ar.

Calder combina o humor das imagens marinhas com o sentido da beleza e graça de uma construção que sobe, desce e gora continuamente, em velocidade e direção variáveis.

O movimento enquanto elemento da obra faz dela um exemplar primordial da Arte Cinética, termo aplicado a obras de arte das quais o movimento real, ou a impressão dele, é parte dele, é parte integrante.

Calder foi o inventor do móbile, e fez o primeiro em 1932.

A altura de seus móbiles varia de 4 cm a mais de 5 metros. Um exemplo desses últimos pode ser visto no aeroporto J.F.K. de Nova York.

Alçapão de Lagosta e Cauda de Peixe, 1939, arame de aço e chapa de alumínio pintada, largura de 289,5 cm, Alexander Calder, Museum of Modern Art, Nova York.

Agora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Alexander Calder, experimente fazer uma releitura dela ou criar um móbile com peças pendentes que contenham a mesma temática,  utilizando o material que mais gostar.

Fotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *