Harmonia em Vermelho, Henry Matisse

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Harmonia em Vermelho, Henry Matisse
Harmonia em Vermelho, Henry Matisse

Uma profusão de cores primárias domina este quadro estonteante, que representa o interior de uma sala com uma mulher arrumando uma mesa.

Toda superfície é harmonizada num padrão vibrante e uniforme de cores puras habilmente integradas na composição estrutural, preenchendo a sala. A toalha da mesa funde-se com a parede, e as formas totalmente achatadas, distorcidas e simplificadas. Isso realça o fluxo lírico das formas ornamentais e das cores iridescentes.

A toalha de mesa e a parede apresentam a mesma combinação de azul sobre vermelho, mas os planos horizontais e verticais ainda podem ser distinguidos com segurança. A tênue linha que divide parede e mesa funciona como marco diferenciador, além dos contornos escuros contrastando com vermelho.

Henri Matisse ainda inclui uma ousada vista para um jardim através da janela, onde podem ser encontradas árvores floridas. A casa ao longe também segue os tons presentes no interior da sala, dando a impressão de que uma faz parte da outra, se relacionando com o resto do quadro. Isso acontece porque o artista não se submete à natureza e sim ao seu próprio olhar.

As cores primárias e secundárias possuem papeis bem definidos e cada uma os cumpre com propriedade. O azul, o amarelo e o verde dão formas e conteúdos, enquanto o vermelho harmoniza e faz plano de fundo. Apesar de forte, a cor tem o poder de descansar a vista e induzir o observador ao imaginário da cena.

Duas cadeiras estão em volta da enorme mesa. O marco da janela introduz o observador no jardim, onde se vê uma pequena casa e um céu azulado. O motivo principal da composição é formado pelo jogo entre o desenho do papel de parede, o pano da toalha da mesa e os objetos sobre ela. Até mesmo a figura humana e a paisagem lá fora estão desenhadas e pintadas de modo a se integrarem às flores do papel de parede.

A janela, através da qual vemos um jardim verde com plantas floridas, permite que o olho se mover para as profundezas da tela. O quarto vermelho é uma celebração brilhante de padrão e decoração. Os ritmos do padrão da folha sobre a toalha e papel de parede são ecoados no fundo através da janela, unindo o interior com o exterior mais frio.

A obra também é conhecida como Toalha de Mesa, Mesa Posta, Quarto Vermelho e A Mesa de Jantar. Embora haja a presença de uma criada arrumando a mesa, o que se destaca na tela e fica impressa na mente do observador: a predominância da cor vermelha.

Assim como Van Gogh era um ardente admirador de arte e motivos japoneses. Ele desenvolveu seu estilo usando as áreas de cor lisa, brilhante e muitas vezes pouco natural e, invariavelmente, apresenta as suas formas de uma maneira semelhante ao Van Gogh. Esta pintura fauvista não tem nenhum ponto focal central.

A pintura foi inicialmente encomendada como ‘Harmony in Blue’ A composição era baseada em tons de azul que substituía o vermelho, mas depois de pronta e pendurada na parede de seu estúdio, Matisse não ficou satisfeito, achando que a composição não estava decorativa, pois não havia contraste entre o interior e o exterior do ambiente. A tela foi então refeita com o vermelho, e seu resultado agradou bastante o artista, ao reduzir todos os planos a uma dimensão única.

Em seu estúdio de Paris com suas janelas com vista para um jardim do mosteiro, Matisse criou essa obra que ele mesmo chamou de painel decorativo e que se destinava a sala de jantar na mansão de Moscou do famoso colecionador russo Sergey Shchukin.

Henri Matisse utilizava a cor como um meio mais de expressão do que de descrição e desdenhava deliberadamente as regras convencionais de desenho e perspectiva. Ele e seus seguidores foram chamados fauves, ou animais selvagens, devido à selvageria primitiva de seu estilo.

A maneira fovista de Matisse abrangeu os anos 1905 a 1908 e seu estilo continuou a se desenvolver ao longo de sua extensa carreira. A cor, no entanto, sempre teve papel fundamental em sua obra, como se pode observar nas vibrantes colagens de papel que ele produziu em seus últimos anos.

A Mesa de Jantar (Harmonia em Vermelho), 1908, Henri Matisse, óleo sobre tela, 180 cm x 246 cm, Hermitage Museum, São Petersburgo, Rússia.

 

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de Henri Matisse, experimente fazer uma releitura dele usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *