O Casal Arnolfini, Jan van Eyck

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > O Casal Arnolfini, Jan van Eyck
O Casal Arnolfini, Jan van Eyck

Segundo os estudiosos, este fantástico retrato duplo de Van Eyck testemunha o casamento de Giovanni Arnolfini, um próspero banqueiro italiano.

O quadro, cheio de simbolismo, funciona em vários níveis: como retrato de dois membros proeminentes da sociedade, pintado pelo principal artista local; como um registro de seu casamento; e como comentário sobre as obrigações do casamento em geral, tais como eram vistas em meados do século 15.

Van Eyck também demonstra sua extraordinária perícia como pintor, com total domínio das mais recentes técnicas artísticas, em especial à pintura à óleo.

Uma única vela arde no candelabro. Ela representa o olho de Deus que tudo vê. Costumava-se colocar uma única vela acesa junto ao leito dos recém-casados para incentivar a fertilidade.

As mãos unidas são centrais no casamento cristão, significando a união de duas pessoas em uma só. As mãos unidas também unificam a pintura, e o formato delas se repete acima, nas formas curvas do candelabro.

Na parede, à esquerda do espelho, está pendurado um rosário, que era típico presente de casamento de um futuro marido para sua noiva. O cristal é símbolo de pureza, e o rosário sugere a virtude da noiva e seu dever de continuar devota e fiel.

Na janela há uma laranja. As laranjas importadas do sul, eram artigos de luxo na Europa do norte, e talvez lembrem as origens do mediterrâneo dos modelos do retrato. Conhecidas como “pomos de Adão”, as laranjas também são usadas para representar o fruto proibido no Jardim do Éden. Assim, elas se referem ao pecado mortal da luxúria que, segundo se considerava, levou à queda do homem. Os instintos pecaminosos da humanidade são santificados através do ritual cristão do casamento.

Giovani de Arrigo Arnolfini era rico comerciante italiano que se estabeleceu em Bruges, por volta de 1421. Ele teve cargos importantes na corte de Fiipe, o Bom, duque da Burgúndia. Na época os Países Baixos faziam parte do Império da Brungúndia. Mais tarde, ele tornou-se tesoureiro da Normandia e fez fortuna recolhendo impostos sobre bens importados. Ele usa roupas sóbrias, que eram elegantes na corte.

Os sapatos postos de lado eram sinal de que uma cerimônia religiosa estava ocorrendo – mais uma prova de que o quadro deve ser uma elaborada certidão de casamento. A posição de destaque dos sapatos, talvez seja importante: os sapatos vermelhos de Giovanna estão perto da cama, os do marido perto do mundo exterior. Na época se acreditava que tocar o chão com os pés descalços garantia a fertilidade.

O cão dá um toque leve e encantador a uma tela que se dedica pela solenidade A pintura detalhada dos pelos é uma verdadeira proeza técnica. Nos retratos, um cão costuma representar a fidelidade e o amor terreno, e quase com certeza é este o seu objetivo simbólico aqui.

Em torno do espelho há dez das catorze estações da cruz – incidentes durante a jornada de Cristo até sua morte. Sua presença sugere que a interpretação da pintura deve ser também cristã e espiritual, não só legal e factual.

No século 15, o casamento era o único sacramento cristão que não requeria a presença de um padre; podia ser realizado em particular, na presença de duas testemunhas. Em vista do reflexo de duas pessoas no espelho, já se sugeriu que esta tela é, na verdade, um documento legal  certificando o casamento de Arnolfini.

Giovanna usa um elegante vestido verde, adequado para um retrato de sociedade e de casamento, já que o verde é a cor simbólica da fertilidade. Ela não está grávida – sua pose apenas destaca o ventre, que na época era considerado um ponto de beleza. É possível qe sua postura e curvatura exagerada do ventre sugiram a fertilidade e a futura gravidez.

Giovanna vinha de uma rica família italiana, e sem dúvida sua união foi cuidadosamente arranjada como um bom partido. Entretanto, as coisas não ocorreram como o esperado. Não tiveram filhos, e mais tarde Arnolfini foi processado por uma amante que queria compensações depois de ter sido abandonada por ele.

A assinatura, traçada acima do espelho numa elaborada caligrafia gótica, diz “Johannes de Eyck fuit hic 1434” (em latim, Jan van Eyck esteve aqui em 1434). O artista também incluiu seu reflexo no espelho, indicando sua presença naquele momento. Alguns estudiosos acreditam que ele foi testemunha do casamento.

O Casal Arnolfini, 1434, óleo sobre madeira de carvalho, 81,8 x 59,7 cm Jan van Eyck, National Gallery, Londres.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de Jan van Eyck, experimente fazer uma releitura dele ou crie uma composição de casamento colocando sua imagem, como assinatura, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *