Tarde de Domingo na Ilha de Grand Jatte, George Seurat

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Tarde de Domingo na Ilha de Grand Jatte, George Seurat
Tarde de Domingo na Ilha de Grand Jatte, George Seurat

Uma Tarde de Domingo na Ilha de Grande Jatte – é uma pintura a óleo de Georges-Pierre Seurat, considerada a sua obra mais destacada, realizada em 1884. Retrata a Ilha de Grande Jatte.

A Grande Jatte é uma das ilhotas que se encontra no meio do rio Sena.

A atração que Seurat sentia pelo local devia-se, primeiramente, à sua localização privilegiada, que permitia visualizar de vários ângulos alguns bairros da cidade de Paris.

Na época de Seurat, a Grande Jatte era uma área de lazer bastante frequentada por pessoas de diferentes grupos sociais, que vinham de Paris em barcos a vapor passar as tardes de domingo.

Era, também, um conhecido local de prostituição.

A escolha deste tema por Seurat dá continuidade ao trabalho dos impressionistas em retratar as áreas de lazer e a vida contemporânea de Paris.

As grandes dimensões da obra e as poses rígidas das figuras humanas dão um ar monumental a uma cena do cotidiano burguês.

Antes de pintar a tela, Seurat realizou cerca de 23 esboços e 38 telas preliminares.

Durante seis meses, foi todos os dias à Ilha, pintando a paisagem nos dias de menor movimento e as figuras humanas nos fins de semana e feriados.

Encontramos na obra 48 pessoas, 8 barcos, 3 cães e 1 macaco.

O macaco sempre foi um animal de interesse para Seurat, estando presente em alguns dos seus esboços. Na obra destacam-se algumas figuras:

A jovem com uma sombrinha: figura imponente, traz um macaco preso por uma coleira – era comum pessoas abastadas possuírem macacos como animais de estimação, mas não levá-los a passear em locais públicos.

A mulher que está pescando: a ilha era um local conhecido de prostituição. Como a prática era proibida, algumas mulheres fingiam atividade menos suspeitas, como a pesca.

Não se sabe ao certo se esta mulher representaria uma prostituta, mas a associação é feita por inúmeros críticos de arte.

A menina de branco: é a única personagem da obra Uma Tarde de Domingo na Ilha de La Grande Jatte a olhar diretamente para o observador, e também o único elemento do quadro que não está coberto pela técnica pontilhista.

O branco parece resplandecer no centro da tela.

A obra Uma tarde de domingo na ilha da Grande Jatte tornou-se a maior representante do pontilhismo.

Esta técnica caracteriza-se pelo uso de pequenas manchas verticais e horizontais juntamente com pontos de cor, que justapostos provocam uma mistura ótica nos olhos.

A técnica é uma consequência das experimentações realizadas pelos impressionistas anos antes.

O artista acreditava que as cores eram vistas como pontos de puro pigmento.

Dessa forma, se colocasse pequenos pontos uns ao lado dos outros, com certa distância, criaria a imagem completa com intensa luminosidade.

A obra não foi bem acolhida em França, foi comprada por um rico empresário norte americano que a ofereceu à filha.

Durante anos os franceses tentaram recuperar o quadro que se encontra na posse do Instituto de Arte de Chicago, Estados Unidos.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *