A Volta da Pesca, Sorolla

A Volta da Pesca, Sorolla
   

O costumbrismo social sofre uma importante transformação a partir de 1898. É então quando se unirão, dentro da mesma composição, diferentes temas que se haviam desenvolvido anteriormente, de maneira independente. Estes eram fundamentalmente cenas de barcos, bois, pescadores e pescadoras valencianas e crianças brincando na praia.

Esta obra esteve exposta no Pavilhão Espanhol da Exposição Universal de Paris, em 1900. Lá lhe concederam o Grande Prêmio dos pavilhões espanhóis e lusitano pelo conjunto da obra que apresentava. Também, lá, foi adquirido pelo colecionador argentino Dom César Cobo pelo módico preço de 10.000 pesetas. Anos mais tarde, foi doado ao Museu Nacional de Belas Artes de Buenos Aires.

A obra representa um momento na vida cotidiana dos pescadores e de suas mulheres e filhos na praia levantina. É o momento em que regressam do mar e são ajudados pelas mulheres que seguram os cestos para a pesca.

A estrutura da composição fica delimitada por meio de várias diagonais que convergem na barca. Esta é retirada com uma junta de bois guiada pelos pescadores, enquanto um grupo de mulheres à direita e à esquerda da composição ajudam na tarefa diária.

As velas ainda levantadas continuam ondeando pela brisa marinha. O pintor quer refletir assim esse momento cotidiano, um instante que se pode qualificar como fotográfico.

Diferentemente de anteriores cenas de costumbrismo marinheiro, esta se situa à beira-mar. Além disso, tecnicamente, com este quadro, Sorolla se libera totalmente da triste palheta do Realismo Social e seu interesse ficará concentrado primordialmente no estudo da luz.

Trata-se de uma luz forte, mediterrânea, que domina a composição e que será uma constante em suas obras sobre praias levantinas. Predominam as tonalidades ocres e terrosas harmonizadas pelo azul claro do luminoso céu.

A partir de 1895 sua obra gira à temática marinha e começa a colher seus primeiros sucessos fora de nossas fronteiras.

A volta da pesca significou, dentro dos temas praieiros, uma combinação de todos eles; mas este costumbrismo se torna mais luminoso e assim Sorolla determina, neste tipo de cena, um foco principal representado pela riqueza de brancos, neste caso centrado nos tecidos das velas.

Erroneamente se quis equiparar sua obra com a dos impressionistas franceses mas estes perseguiam sobretudo um determinado tratamento da matéria pictórica que estava muito afastado do realismo luminoso e naturalista de Sorolla.

A Volta da Pesca, 1898, óleo sobre tela, 50 x 98 cm, Joaquín Sorolla, Museu Nacional de Belas Artes, Buenos Aires, Argentina.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Joaquín Sorolla, experimente desenvolver sua releitura sobre o tema, crie uma cena de costumes na praia ou no campo, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando  #historiadasartestalento

 

COMO CITAR:

Para citar esta página do História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o texto abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. A Volta da Pesca, Sorolla. História das Artes, 2021. Disponível em: <http://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/volta-pesca-sorolla/>. Acesso em 20 Apr 2021.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: