Arte Povera

Arte Povera

A arte Povera nasce na Itália na metade dos anos 60, graças ao trabalho de um grupo extraordinário de artistas, apoiados pelo crítico e teórico Germano Celant ao qual deve-se também o nome, derivado do teatro povero de Jerzy Grotowski.

Germano Celant afirma que a Arte Povera manifesta-se essencialmente “em diminuir aos mínimos termos, em empobrecer os signos, para reduzi-los aos seus arquétipos”.

Os artistas desse movimento trabalham em aberta polêmica com a prática tradicional da arte, da qual rejeita técnicas e suportes. Descobre as potencialidades expressivas dos materiais “pobres”, como terra, madeira, ferro, panos, plástico, refugos industriais. A intenção é a de evocar as estruturas originais da linguagem textual, mas também imaginárias e simbólica da sociedade contemporânea depois de ter, de alguma maneira, zerado os conformismos semânticos e representativos.

O Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Trento e Rivoreto – Mart possui um núcleo de  artistas da arte Povera, como Mario Merz, Jannis Kounellis, Michelangelo Pistoletto, Giulio Paolini, Gilberto Zorio, Pier Paolo Calzolari, Alighiero Boetti, Giovanni Anselmo e Giuseppe Penone.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

2 comentários em “Arte Povera”.

Os comentários não representam a opinião do www.historiadasartes.com, a responsabilidade é do autor da mensagem.
  1. Eu tenho uma pergunta. Qual a diferença entre a Arte Povera e as obras de Vick Muniz? Porque não posso considerar como Arte Povera? Muito obrigada.

    1. Olá, Gabi,
      O artista Vik Muniz utiliza técnicas e materiais diversos nas suas obras. Ele possui uma série de trabalhos usando o lixo como matéria-prima e a fotografia como suporte. http://www.historiadasartes.com/prazer-em-conhecer/vik-muniz/
      A arte Povera teve origem na Itália na década de 60, os artistas desse movimento rejeitavam técnicas e suportes tradicionais e descobriram as potencialidades expressivas dos materiais considerados “pobres”, como terra, madeira, ferro, panos, plástico e refugos industriais para suas obras. http://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/arte-povera/
      Podemos perceber que, exclusivamente, a série “Lixo Extraordinário” de Vik Muniz (http://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/lixo-extraordinario/) poderia ser considerada como “Arte Porvera”, tendo em vista a origem dos materiais empregados, a valorização das qualidades específicas dos objetos envolvidos na elaboração da obra de arte, e a busca da aproximação da obra de arte com o cotidiano das pessoas.

      Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *