O Casamento de Isaac e Rebeca, Claude Lorrain

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > O Casamento de Isaac e Rebeca, Claude Lorrain
O Casamento de Isaac e Rebeca, Claude Lorrain

As paisagens de Claude Lorrain são um sonho poético, imagens de um mundo abundante, seguro, fértil e domesticado, onde o homem e a natureza coexistem em pacífica harmonia. 

A história do Velho Testamento que dá o título a esta obra é um recursos para dar ao quadro status artístico e intelectual, numa época em que a paisagem pura não era considerada um tema adequado a pintura séria.

Isaac, filho do patriarca Abraão, teve um casamento feliz com Rebecca, que veio da Mesopotâmia, e os dois viveram em Canaã. São eles o jovem casal que está dançando em primeiro plano, à direita do quadro.

Além de deliciar nossos olhos Lorrain estimula nossos ouvidos. Há nítidos toques sonoros no quadro; o som das quedas-d’água, as mulheres à direita tocando instrumentos musicais, os pandeiros que os dançarinos seguram, o mugido do gado, o rumor da patas dos cavalos, o murmúrio das vozes.

Há três lugares no quadro em que a água que jorra cria uma agradável sensação de frescor, contrastando com a atmosfera abafada do verão italiano: a queda entre os dois níveis do lago, a cachoeira nos rochedos à esquerda e a roda do moinho perto da torre.

As longas sombras no primeiro plano fazem um sutil contraste com a distância, ainda banhada na névoa do verão. Lorrain tinha a capacidade de recriar na pintura a delicadeza da luz. Ele costumava preferir o final do dia, ou o início da manhã, quando a luz natural é mais fugidia. Lorrain foi o primeiro artista a incluir em alguns quadros imagens do próprio Sol como fonte de luz.

O grupo sentado ao centro, em primeiro plano, foi retratado com fortes cores primárias, fazendo com que se destaque no cenário. Lorrain utiliza outras figuras, posicionadas com habilidade, para conduzir nosso olhar para outros detalhes ou para o fundo, a distância.

Lorrain aumenta a ilusão da distância utilizando tons azuis frios, que parecem recuar. Os tons de marrom e os cálidos toques vermelhos no primeiro plano parecem mais próximos do que as cores frias. É uma ilusão ótica baseada num fenômeno científico, pelo qual na natureza as cores perdem a intensidade com a distância devido ao aumento da massa de ar. A utilização deste fenômeno na arte chama-se “perspectiva aérea”.

O sobrenome original de Claude era Gellée, mas ele ficou conhecido como Claude Lorrain, nome provindo de sua região natal, na França. Tal como Nicolas Poussin, com quem tinha relações amistosas, ele passou a maior parte da vida em Roma e tinha uma apaixonada afeição pela Itália. Ele teve grande influência sobre Turner, grande paisagista do século 19. Ao doar duas obras à National Gallery em Londres, Turner estipulou que elas deviam ser colocadas ao lado do quadro que mostramos aqui.

O Casamento de Isaac e Rebeca, 1648, óleo sobre tela, 149 x 197 cm, Claude Lorrain, National Gallery, Londres.
pincel

Agora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de Claude Lorrain, experimente fazer uma releitura dele ou criar uma paisagem poética da sua cidade, utilizando vários planos para destacar a luz solar e as cores.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *