O Incêndio do Borgo, Rafael Sanzio

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > O Incêndio do Borgo, Rafael Sanzio
O Incêndio do Borgo, Rafael Sanzio

Em 1514, Rafael Sanzio começa a decoração de uma terceira sala situada junto da Segnatura e conhecida como Stanza dell’Incendio. Na parede sul desta sala ele pintou o afresco que dá título à mesma, O Incêndio do Borgo. O tema desta obra se tomou do Liber Pontificales e, assim como todo o ciclo iconográfico programado para esta sala, devia realçar a figura de Leão X, ilustrando episódios históricos cujos protagonistas teriam sido papas com o mesmo nome que detinha o novo pontífice.

O afresco narra um episódio ocorrido durante o papado de Leão IV. Por volta do ano 847 desatou-se um incêndio que devastou o bairro romano de Borgo, vizinho de São Pedro. Foi a prodigiosa intervenção do papa Leão IV, que, bendizendo o povo da basílica, conseguiu extinguir as chamas de maneira milagrosa, impedindo que se estendessem pelo resto da cidade.

Na execução deste afresco Rafael utilizou prodigamente a ajuda de seus aprendizes e colaboradores, especialmente, de Giulio Romano. O pintor de Urbino, sobrecarregado, neste momento, pelas encomendas, se dedicava sobretudo a supervisionar as obras da decoração artística, restringindo suas intervenções às diretrizes gerais e à gestação dos projetos preliminares, cuja realização encomendava a seus discípulos mais notáveis.

O único afresco desenhado na íntegra por Rafael, mas não totalmente executado por ele, foi O Incêndio do Burgo. Os demais, a Batalha de Óstia, A Coroação de Carlos Magno e O Juramento de Leão III foram feitos por seus assistentes.

Rafael devia projetar para este afresco, uma composição na qual aparecessem, em cena, o fogo do incêndio, as pessoas fugindo e a bendição papal que os salva.

Desta maneira ele distribui os três momentos do dramático acontecimento dispondo em um primeiro plano, à esquerda, o furor do incêndio das casas romanas das quais fogem uns personagens de tratamento e corte classicista, que tornam a cena cheia de teatralidade em uma imagem épica da descrição homérica do incêndio de Troia.

Assim podemos contemplar Enéas transportando seu pai, Anquises, já velho, sobre seus ombros, acompanhado de seu filho Ascânio e, de Creusa: os heroicos protagonistas da Eneida que escaparam de Troia e fundaram Roma. Na zona central, um grande grupo de mulheres e crianças estabelecem o nexo entre as cenas laterais e o motivo do quadro, isto é, a bendição papal e a conseguinte extinção do incêndio.

O Incêndio do Borgo, 1514, 500 x 670 cm, afresco, Stanza dell’ Incendio, Museus do Vaticano, Roma.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Rafael Sanzio, experimente desenvolver sua releitura sobre o tema, inspire-se nas características do Renascimento e crie uma cena histórica ou mitológica, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando  #historiadasartestalento

COMO CITAR?

Para citar o História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. O Incêndio do Borgo, Rafael Sanzio. História das Artes, 2020. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/incendio-borgo-rafael/>. Acesso em 29 Sep 2020.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: