Retrato de Leão X com Dois Cardeais, Rafael Sanzio

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Retrato de Leão X com Dois Cardeais, Rafael Sanzio
Retrato de Leão X com Dois Cardeais, Rafael Sanzio
   

Por volta de 1518-1519, Rafael executa um retrato de Leão X, papa sucessor de Júlio II. Nele, o pontífice aparece sentado diante de sua mesa de trabalho e rodeado pelos cardeais Giulio de Médici, que seria o futuro Clemente VII e Lourenço Rossi. Vasari descreveu detalhadamente a obra desta forma: “… se veem estas figuras, como se não estivessem pintadas, mas sim de inteiro relevo; parece que se pode tocar o veludo que cobre as costas do papa; o adamascado com que ele se veste parece que range e brilha; as peles do forro são vivas e mórbidas e os ouros e as sedas estão de tal modo imitados, que não parecem cores mas sim sedas e ouro. Sobre uma mesa há um livro de pergaminho em miniatura mais real do que a própria realidade , e uma campainha de prata lavrada, que não se pode explicar o bela que é. E entre outras coisas, há uma bola nas costas da cadeira, de ouro polido na qual, como espelho, se refletem as luzes da janela, as costas do papa e o contorno da sala; e todas estas coisas estão executadas com tanto cuidado, que se crê, com toda segurança, que nenhum mestre especialista nelas o faça nem o possa fazer melhor”.

Esta obra é um completo esbanjamento de virtuosismo técnico. Nela, a caracterização psicológica está tão bem conseguida assim como as as variadas qualidades e texturas dos tecidos das vestes e dos diversos materiais dos objetos.

Rafael se ocupa ao máximo de todos os detalhes imitando fielmente a realidade, por meio de uma utilização magistral das cores e das sombras que dispõe, com uns contornos cheios de precisão. A cor vermelha é a protagonista da composição e aparece em uma variada gama de diversas tonalidades contrastadas, ao mesmo tempo que harmônicas.

As posturas um pouco forçadas dos cardeais levou a pensar-se que tivessem sido acrescentadas na composição posteriormente, e alguns críticos aludem à intervenção de Giulio Romano nestas figuras que, em comparação com a do Pontífice, revelam um menor interesse e qualidade.

Os antecedentes nos quais Rafael se baseou para realizar este retrato triplo podem estar em um retrato atualmente desaparecido do papa Eugênio IV, acompanhado dos personagens a sua volta, feito por Jean Fouquet e que Filarete descrevia em seu Tratado. Ou ainda, no afresco da Pinacoteca Vaticana, realizado por Melozzo da Forli, em 1477, que representa Sixto IV nomeando Platina, Bibliotecário do Vaticano.

Ao representar Leão X com grande monumentalidade e seriedade, rodeado de objetos preciosos e de grande valor, em uma imagem que difere totalmente do retrato do papa anterior, Júlio II, há uma tentativa de enobrecer a figura do novo pontífice. Isto unido à inclusão do cardeal Giulio, faz pensar que o quadro estava destinado a afiançar a presença da família Médici em Roma.

Retrato do Papa Leão X com Dois Cardeais, 1518-1519, óleo sobre madeira, 154 x 119 cm, Rafael Sanzio, Galleria degli Uffizi, Florença.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Rafael Sanzio, experimente desenvolver sua releitura sobre o tema, inspire-se nas características do Renascimento e crie um retrato de personagens famosos, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência nas nossas redes sociais com a #historiadasartestalento

COMO CITAR:

Para citar esta página do História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o texto abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. Retrato de Leão X com Dois Cardeais, Rafael Sanzio. História das Artes, 2021. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/retrato-de-leao-x-com-dois-cardeais-rafael-sanzio/>. Acesso em 26 Oct 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: