A Expulsão de Heliodoro do Templo, Rafael Sanzio

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > A Expulsão de Heliodoro do Templo, Rafael Sanzio
A Expulsão de Heliodoro do Templo, Rafael Sanzio
   

Após o exito conquistado com a Stanza della Segnatura, o papa encomendou a Rafael a decoração de outro aposento no Vaticano: a Stanza d’Eliodoro – nome extraído do principal afresco, A Expulsão de Heliodoro do Templo. Drama e história são os temas dessa stanza, que inclui também os seguintes afrescos: A Missa de Bolsena, A Libertação de São Pedro e Leão I Detém o Avanço de Átila.

O tema deste afresco está tomado do Antigo Testamento, concretamente do livro segundo de Macabeos. O general Heliodoro viajou a Jerusalém, enviado pelo rei Seleuco, com a intenção de roubar o tesouro destinado às viúvas e órfãos que se custodiavam no Templo de
Jerusalém. O Sumo Sacerdote Onias e o povo dirigiram-se ao templo para implorar a proteção divina e impedir o furto.

Rafael plasmou magistralmente o momento narrado no livro dos Macabeos, no qual Heliodoro e seus adeptos, “feridos à vista do poder de Deus, ficaram impotentes e atemorizados. Apareceu um cavalo terrível. Montava um cavalo adornado com uma riquíssima cobertura que, lançando-se impetuosamente sobre Heliodoro, deu-lhe um coice com as patas traseiras. O que lhe montava ia vestido com uma armadura de ouro. Apareceram também dois jovens fortes, cheios de majestade, magnificamente vestidos, os quais, colocando-se um a cada lado de Heliodoro, açoitavam-lhe sem cessar, descarregando sobre ele fortes golpes”.

A cena ideada por Rafael para este afresco discorre em um cenário arquitetônico. A perspectiva é rigorosamente central e se situa justamente no meio do altar do fundo onde aparece Onanias orando.

Diferentemente dos afrescos realizados anteriormente como A Escola de Atenas, onde as atitudes das figuras eram tranquilas e sossegadas, aqui se opõe o ritmo convulsivo e os gestos irados da expulsão de Heliodoro.

A luminosidade suave, difusa e cristalina de seus afrescos anteriores é substituída com grande virtuosismo por fortes contrastes de luzes e sombras que ele plasma através do resplendor das lâmpadas sobre os muros, provocando um efeito de violento tremor como se se deixasse sentir o impacto da intervenção divina.

O movimento e a agitação que Rafael introduz na composição não o leva a renunciar à ordem equilibrada da mesma tão característica de seus afrescos anteriores. Dá-se uma monumentalidade e energia maior nas figuras assim como um colorido mais rico que revelam a influência de Michelangelo sobre o pintor de Urbino.

A Expulsão de Heliodoro do Templo, 1511-12, afresco, 500 x 750 cm, Rafael Sanzio, Stanza d’Eliodoro, Museus do Vaticano, Roma.

pincel

Agora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Rafael Sanzio, experimente desenvolver sua releitura sobre o tema, inspire-se nas características do Renascimento e crie uma cena mitológica ou religiosa, usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando #historiadasartestalento

COMO CITAR?

Para citar o História das Artes como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. A Expulsão de Heliodoro do Templo, Rafael Sanzio. História das Artes, 2020. Disponível em: <http://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/a-expulsao-de-heliodoro-do-templo-rafael-sanzio/>. Acesso em 28 Oct 2020.

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: