Almoço na Relva, Édouard Manet

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Almoço na Relva, Édouard Manet
Almoço na Relva, Édouard Manet

Uma mulher nua está sentada numa clareira, displicentemente, fazendo um piquenique com dois rapazes galantes, vestidos com trajes da época.

A grande tela é tratada com amplas aplicações de cor, e a luz intensa e direta reduz a modelagem das figuras ao mínimo. Baseando suas figuras numa composição de Rafael e evocando a atmosfera pastoral de Giorgione. Manet tentou conscientemente evocar os ideais elevados da arte renascentista. Essa mistura ousada de antigo e moderno – conferindo à vida boêmia contemporânea o contexto e a escala da arte clássica levou esta pintura a ser amplamente condenada pelos críticos ao ser exibida pela primeira vez.

O objetivo de Manet era libertar os artistas das doutrinas do academicismo e dos temas literários. Um rebelde da arte, desenvolveu uma técnica brilhante, utilizando muito preto. Mais tarde foi influenciado pelas cores mais claras dos impressionistas.

Rejeitada pelo júri do Salão de 1863, Manet exibiu’Almoço na Relva’, sob o título ‘O Banho’ no Salão dos Recusados, iniciado no mesmo ano por Napoleão III, onde se tornou a principal atração, gerando tanto riso e escândalo. É irônico que ele tenha escandalizado críticos de arte e o público, embora reverenciasse artistas convencionais como Diego Velázquez e Ticiano.

A presença de uma mulher nua entre os homens vestidos não é justificada por precedentes mitológicos ou alegóricos. Isto lhe rendeu a estranheza da cena irreal e obscena aos olhos do público. O estilo e tratamento de Manet foram considerados muito chocantes. Ele não fez nenhuma transição entre os elementos leves e escuros da imagem, abandonando as gradações sutis habituais em favor de contrastes brutais. E os personagens parecem se encaixar desconfortavelmente em segundo plano esboçado na floresta a partir do qual Manet excluiu deliberadamente a profundidade e a perspectiva.

O Almoço na Relva é um testemunho da recusa de Manet em seguir a convenção, iniciando uma nova liberdade de temas tradicionais e modos de representação, talvez essa obra possa ser considerada como o ponto de partida para a Arte Moderna.

Almoço na Relva, 1863, óleo sobre tela, 215 x 271 cm, Édouard Manet, Museu d’Orsay, Paris.

pincelAgora que você sabe mais detalhes sobre esse quadro de Manet, experimente fazer uma releitura usando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *