Casamento Camponês, Pieter Bruegel, o Velho

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Casamento Camponês, Pieter Bruegel, o Velho
Casamento Camponês, Pieter Bruegel, o Velho

O espectador é convidado para uma animada festa para celebrar o casamento de dois camponeses. O quadro é rico em detalhes – a figura que está enchendo o jarro de vinho à esquerda as tortas levadas para a mesa numa porta e o tocador de gaita de fole olhando faminto para a comida.

Tudo mostra a habilidade de Bruegel em captar a rusticidade camponesa.

Os personagens bêbados  que animam as cenas vivazes de Bruegel são o oposto do ideal italiano de refinada perfeição. É mais verdadeira e humana a obra de Bruegel, baseada na observação da vida real.

A noiva está claramente visível em frente do pano verde pendurado atrás dela e usa a coroa com um semblante vagamente sonhador tendo ao seu lado esquerdo os pais.

Em relação ao noivo há várias teorias acerca da sua identificação na pintura. Segundo uns, o noivo, seguindo a tradição de servir os comensais, é identificado com o que está no lado esquerdo a servir cerveja de um cântaro para uma caneca, ou com o de barrete encarnado que se volta no centro para tomar os pratos com comida e passá-las para os convidados.

Em primeiro plano vê-se uma criança que está lambendo um prato, tendo uma boina demasiado grande com uma pena de pavão que lhe cobre os olhos.

O olhar do espectador é levado em profundidade pela posição oblíqua da mesa, ao longo da qual se alinham os vários convidados, cada um retratado na sua singularidade. Um cão sai debaixo da mesa, ao lado de um abade que está discutindo com um homem de barba ruiva de perfil. Há quem interprete este último como um possível auto-retrato de Bruegel, parecendo o autor escolher, finalmente, algum distanciamento em relação aos personagens que o haviam caracterizado, participando mesmo assim, na alegria do evento.

Diz a lenda que Bruegel se disfarçava para participar das reuniões alegres dos camponeses; isso lhe valeu o apelido de Bruegel Camponês.

Sua técnica, no entanto, nada tinha de rude; suas aplicações cuidadosas de finas camadas de tinta revelam um maravilhoso sentido da riqueza e variedade de cores.

Pieter Bruegel encabeçava uma família de pintores que brilhava nos séculos 16 e 17.

Casamento Camponês, c. 1566-7, óleo sobre madeira, 114,3 x 162,6 cm, Pieter Bruegel, o Velho, Kunsthistorisches Museum, Viena.

Agora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Pieter Bruegel, experimente fazer uma releitura dela ou criar uma composição que retrate uma grande festa animada e cheia de detalhes, utilizando o material colorido que mais gostar.

Fotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *