Oficina de Mármores no Campo de São Vidal, Canaletto

História das Artes > Olho-vivo > Análise Estética > Obras Analisadas > Oficina de Mármores no Campo de São Vidal, Canaletto
Oficina de Mármores no Campo de São Vidal, Canaletto

Atraído pelo tema da oficina provisória dos mármores, Canaletto compõe uma sugestiva e insólita visão de Veneza, fiel representação de um fragmento da laboriosa vida urbana.

A vista é tomada de uma janela do primeiro andar da casa localizada ao lado da igreja de São Vidal, a oficina a que se destinava os mármores recém-cortados, e documenta historicamente a topografia dos lugares agora visivelmente transformados com a construção da Ponte da Academia, a demolição do campanário da Igreja da Caridade, ocorrida em 1744, e a escola adjacente, hoje sede das Galerias da Academia.

O pintor descreve com lúcida e analítica atenção o fervor dos cinzéis sobre os grossos blocos de pedra de Ístria, material típico das  construções venezianas, a casa de madeira iluminada pela clara luz matinal, os rebocos vermelhos impregnados de sol, as sombras nítidas, as marcas luzentes do Grande Canal.

Nesta tela, o jovem Canaletto registra cada mudança de tom e a consistência de todos diferentes materiais tocados pelos raios de luz vibrante, desde o branco dos mármores ao perfil escuro das gôndolas e aos ladrilhos estilhaçados.

Nada escapa à surpreendente sucessão das pinceladas, ora pastosas e densas, ora líquidas e feitas apenas com a pontado pincel, como aos olhos do pintor não escapou a corda da roupa estendida.

Os detalhes da vida cotidiana nas sacadas iluminadas pelo sol, as poses humildes e provadas de retórica juntamente com a extraordinária definição mimética das superfícies e da atmosfera, mais luminosa depois da chuva, tornam palpável a vitalidade deste esboço veneziano.

Canaletto aplica uma perspectiva lateral: o ponto de vista central desloca-se para a margem esquerda, para, deste lado, obter uma visão perpendicular ao plano da imagem. O edifício, à esquerda, do qual apenas se observa o ângulo interpõe-se como um obstáculo que contrasta com a amplitude da vista frontal e impede que o espaço detrás flua, conduzindo o olhar a explorar a parte da direita.

Logo abaixo do edifício da esquerda, uma mãe acabou de largar a vassoura para acudir o filho que caiu, fato que reclama também a atenção da criada que assoma no primeira andar. O perfil oblíquo da sombra divide o campo em duas zonas distintas e alterna espaços diversamente iluminados com um efeito de grande naturalidade e verdadeira óptica.

Oficina de Mármores no Campo de São Vidal, c.1727-1728, óleo sobre tela, 123,8 x 162,9 cm, Canaletto, National Gallery, Londres.

Agora que você sabe mais detalhes sobre essa obra de Canaletto, experimente fazer uma releitura dela ou criar uma composição que represente em detalhes uma paisagem, contando a vida cotidiana da lugar, utilizando o material colorido que você mais gostar.

quadroFotografe seu trabalho e compartilhe sua experiência conosco, nas nossas redes sociais, usando a #historiadasartestalento

PESSOAS QUE LERAM ISSO, TAMBÉM GOSTARAM....

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *